Augusto Santos Silva considera que o Governo «tem feito muito para que Portugal perca influência» na PT e que o Estado se deveria interessar por uma empresa que detém estruturas de interesse estratégico nacional.

«A PT é incumbente do serviço público de telecomunicações, é dona da rede fixa de telefones e é concessionária da distribuição de televisão e estes três serviços são de interesse estratégico nacional. Por isso, o Estado tem de se interessar não no proprietário em si, mas no que é que este representa e se estas estruturas de interesse público estão salvaguardadas», afirmou esta terça-feira na TVI24.

O comentador da TVI24 destacou ainda as capacidades da PT ao nível da indústria e da tecnologia, e na importância de preservar estas valências na economia portuguesa.

«O objetivo deste Governo é vender ao desbarato e logo que possível as grandes capacidades que a economia tinha», declarou.

Sobre a polémica que tem envolvido as taxas turísticas que vão ser implementadas em Lisboa, Augusto Santos Silva considera que o orçamento de Lisboa vai ter agora uma dimensão maior para lá da esfera do município e que «António Costa vai continuar a estar na berlinda».

«O que o Governo faz agora é oposição a António Costa. As pessoas tendem a pensar que ele é o próximo primeiro-ministro», referiu.

Em relação à medida em si, o comentador considera que esta tem como único fim melhorar os serviços turísticos.