logotipo tvi24

Opinião: «Governo está a criar problema de dimensões irresolúveis»

Deputado do PCP falava antes do Parlamento ter revogado diploma do Governo sobre os chips

Por: tvi24    |   2010-06-26 13:45

O deputado do PCP António Filipe considera que o Governo «está a criar um problema de dimensões irresolúveis» numa dupla vertente: ao introduzir portagens nas SCUT e ao querer resolver o pagamento com chips obrigatórios nos veículos.

«O Governo considera indispensável a existência de um chip obrigatório para todos veículos. Diz que de outra maneira não é possível, porque seria necessário criar 92 cabines de portagens», começou.

Para o comunista, isso «só revela que essas SCUT foram feitas para não ter portagens, daí que o Governo agora precise de encontrar um dispositivo».

«Mas isso é uma violência, porque uma coisa é os utentes poderem ter Via Verde por sua própria conveniência, outra é o Estado obrigar todos utentes a possuir um chip», criticou, exemplificando com o «absurdo» que será para os turistas.

«O Governo, com esta decisão, está a criar uma situação injusta para aquelas pessoas que precisam de circular nessas vias e está a criar um problema de dimensões irresolúveis» com a obrigatoriedade dos chips, concluiu.

O deputado falava pouco antes da revogação, no Parlamento, do diploma do Governo sobre os chips, que colocou em causa o cobrar de portagens já a partir de 1 de Julho.

Partilhar
EM BAIXO: António Filipe
António Filipe

«Opção do governo é tornar definitivos os cortes temporários»
Comentário de Augusto Santos Silva no programa «Política Mesmo»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»
Constança Cunha e Sá critica entendimento de Cavaco Silva, para quem a atividade política é um «fait-divers»
«O FMI defende uma economia de salários baixos»
Comentário de Constança Cunha e Sá na TVI24
EM MANCHETE
Queda de muro em Braga mata três universitários
Estudantes eram todos caloiros. «Guerra de cursos» terá estado na origem do acidente
Execução orçamental: défice cai, mas despesa aumenta
Passos quer «fazer a função pública respirar»