Constança Cunha e Sá considerou, esta terça-feira, no seu espaço de opinião das “Notícia das 21” da TVI24 que o relatório do FMI apresentado hoje “desmente a realidade do próprio FMI”.

“É um relatório que desmente a realidade do governo, desmente a realidade do próprio FMI. Porque o FMI à segunda e terça-feira diz que é preciso medidas e mais reformas e depois, perante o resultado dessas poucas reformas que vão sendo feitas, diz que a realidade afinal é péssima e que afinal ao contrário do que o Governo tem dito vamos ter 20 anos pela frente em que o crescimento se vai manter alto. Nós já sabíamos.”


Para a comentadora da TVI24, o desemprego “vai-se manter alto porque é impossível” não se manter face à causa apresentada pelo FMI e “que também é reconhecida pelo próprio Governo”. 

Nós temos previsões de crescimento anémicas. Não temos previsões de crescimento acima de 2%. Ora qualquer economista diz que só com um crescimento acima dos 2% é que é possível combater o fenómeno do desemprego”.


Constança Cunha e Sá diz ainda que o FMI vem confirmar o que a oposição tem vindo a dizer e fazer os portugueses questionar que ajustamento foi feito para contrariar esta tendência.

“O que o FMI agora vem dizer é que o desemprego está para durar e que isso se deve a um crescimento anémico e à pouca competitividade da economia portuguesa. Portanto, nós temos três problemas: desemprego, crescimento económico e pouca competitividade. Vir o Governo depois disso dizer que resolveu o problema e que cumpriu o ajustamento, nós olhando para este relatório do FMI perguntamos: então qual foi o ajustamento que foi feito? Porque não foi feito ajustamento nenhum, pelo contrário. Foi criado desemprego, foi criada uma depressão na economia e foi criado um fenómeno de imigração sem precedentes.”