Para o comentador da TVI24, Fernando Medina, a alteração da medida de coação de José Sócrates é uma boa notícia. Na opinião do comentador esta decisão da justiça é um sinal de que o momento da clarificação está mais perto.

“A verdade é esta, é que durante estes meses todos não há um único facto concreto, oficial, da parte do Ministério Público, da parte da acusação, que permitisse um contraditório sobre factos, sobre factos concretos da parte de José Sócrates e que nos permitisse a nós fazer o nosso juízo”.


Fernando Medina diz que esta decisão pode ser um indício de que a acusação será conhecida em breve e de que pode estar a terminar a fase de inquérito.

“A forma como este debate se tem travado é muito negativa, tem sido altamente prejudicial para a sociedade portuguesa”.

Fernando Medina acusou ainda, no espaço de opinião semanal "Cara, Caso, Número", na TVI24 esta terça-feira, a coligação do governo de estar a usar o caso Sócrates na pré-campanha para tentar que o debate se faça, não em torno da governação dos últimos anos e das propostas do atual governo, mas sim sobre Sócrates e 2011. 

Na véspera do debate televisivo entre Pedro Passos Coelho e António Costa, Fernando Medina é da opinião de que o frente a frente será mais importante para o atual Primeiro-ministro que para o Secretário-geral do Partido Socialista.

“Quantas entrevistas deu Passos Coelho? Quantos cartazes na rua há com a cara de Passos Coelho? Quantas arruadas, quantos comícios, quantas iniciativas públicas tem feito Pedro Passos Coelho? Muito poucas ou nenhumas”.

No seu comentário Medina falou ainda sobre o plafonamento da segurança social, ou seja, os contribuintes deixarem de descontar a partir de um determinado rendimento. Para o Presidente da Câmara de Lisboa é uma proposta ideológica da coligação impossível de concretizar.