O secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría, admitiu esta terça-feira que “é muito difícil” que a economia da América latina, no seu conjunto, consiga crescer este ano, devido à forte recessão que deve continuar a abalar o Brasil.

Em declarações à agência de notícias espanhola EFE, o líder da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) fez notar que o peso que o Brasil tem no conjunto da economia latino-americana dificulta que o Produto Interno Bruto (PIB) da região consiga ser positivo em 2016, sobretudo porque o crescimento dos outros grandes países também deverá ser débil.

Ángel Gurría comentava assim às novas previsões da economia mundial publicadas esta terça-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que estima uma contração de 0,3% da economia da América Latina e das Caraíbas em 2016, grupo no qual se inclui o Brasil, que deverá ter uma recessão de 3,5% do PIB este ano.