O Presidente da República recebeu esta segunda-feira em audiência o ministro da Educação e Ciência e o tema da central da reunião foi «a nova orientação da política de financiamento da ciência», disse à Lusa fonte oficial de Belém.

A audiência no Palácio de Belém teve lugar às 16:30 mas a informação da reunião entre Cavaco Silva e o ministro Nuno Crato só foi divulgada no site da Presidência depois do encontro, sem esclarecer de quem partiu o pedido do encontro.

Fonte oficial de Belém disse à Lusa que o tema central da reunião foi «a nova orientação da política de financiamento da ciência».

A FCT, entidade pública que atribui o apoio financeiro à investigação, revelou em janeiro que os concursos de 2013, com efeitos práticos em 2014, resultaram em menos 900 bolsas individuais de doutoramento e menos 444 bolsas de pós-doutoramento.

Em audição parlamentar no final de janeiro, o ministro da Educação, Nuno Crato, admitiu que a diminuição na atribuição de bolsas individuais de investigação «é um problema social» mas defendeu que as bolsas de investigação não são emprego científico, mas sim uma «oportunidade de formação avançada».

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu na semana passada que, em matéria de ciência e tecnologia, o atual Governo está gradualmente a «romper com as políticas passadas» baseadas na ideia de que «mais dinheiro público» produz «qualidade» em termos de resultados.

«Temos, portanto, de aprender a medir os resultados e temos de garantir que as bolsas que nós usamos para financiar os doutoramentos, os pós-doutoramentos, a investigação que é feita não corresponde meramente a uma política de recursos humanos de empregar os melhores, mas que possa resultar em ter mais gente do lado das empresas, altamente qualificada, a desenvolver investigação e a fazer a translação de conhecimento que traga valor para essas empresas e para a economia», defendeu o chefe de Governo.

Este fim de semana, o semanário Expresso noticiou que o Governo está a finalizar um plano estratégico para atrair imigração mais qualificada para o nosso país, o que passaria por conceder o que o Governo chama de «vistos-talento» a estudantes, investigadores e outros.

Sobre esta matéria, a coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins afirmou que o Governo quer dar «condições fiscais e remuneratórias» para atrair estrangeiros que nunca deu aos investigadores portugueses, referindo não existem sítios para os cientistas trabalharem.