Vocalista dos Charlie Brown Jr morre aos 42 anos

Chorão foi encontrado sem vida no seu apartamento em São Paulo. Polícia está a investigar a causa da morte

Por: Redação    |   6 de Março de 2013 às 15:55
O músico Alexandre Magno Abrão, conhecido como Chorão, que era vocalista da banda brasileira Charlie Brown Jr., foi encontrado morto esta quarta-feira no seu apartamento, em São Paulo, escreve a agência Lusa.

De acordo com o jornal «O Estado de São Paulo», Chorão foi encontrado inanimado no seu apartamento, no bairro de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, pelo motorista da banda.

Os serviços de emergência médica foram acionados, mas quando chegaram ao local, o músico já estava morto.

A causa da morte ainda não foi divulgada e o caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Chorão, que iria completar 43 anos no dia 9 de abril, estava à frente da banda Charlie Brown Jr. há 15 anos. O grupo de rock brasileiro lançou dez álbuns e conseguiu ter muito sucesso com as suas músicas.

De acordo com o site de notícias G1, o vocalista também foi o autor dos argumentos dos filmes «O Magnata» (2007), realizado por Johnny Araújo, e «O Cobrador», ainda em produção.

Como empresário, administrou marcas de skate, como a DO.CE, e ajudou na realização de grandes eventos de skate no Brasil, além de manter o espaço Chorão Skate Park, na cidade de Santos, desde 2006.

A morte de Chorão, considerado um dos mais polémicos cantores do cenário musical brasileiro, é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais no Brasil e no mundo, de acordo com o jornal «O Estado de São Paulo».



Partilhar
EM BAIXO: Charlie Brown Jr.
Charlie Brown Jr.
COMENTÁRIOS

PUB
Matadouros, gráficas e estádios passam a contar para o défice

Rol de empresas já foi publicado pelo INE, depois de ter divulgado a segunda notificação do Procedimento dos Défices Excessivos em que, pela primeira vez, calculou os números do défice e da dívida públicos segundo o novo sistema europeu de contas. O novo regime prevê que 268 empresas passem a contar para o défice pela primeira vez