O ministro da Presidência, admite que a situação no Grupo Espírito Santo vai «seguramente» ter impacto na economia. No final do Conselho de Ministros, Luís Marques Guedes sublinhou que esse impacto será em maior ou menor medida quanto mais grave for a situação no grupo.

Já começou a auditoria dos reguladores às contas do BES

Problemas do BES são «uma adversidade» para a economia

«É evidente que uma economia como a portuguesa ressente-se necessariamente de uma situação tão grave como aquela que atravessa um grande grupo económico como o Grupo Espírito Santo», adiantou o ministro, dizendo esperar, no entanto, que a economia tenha resiliência suficiente para poder reagir positivamente a mais este revés».

Marques Guedes sublinhou também que o Governo confia que funcionem os mecanismos de regulação e supervisão para resolver a situação.

O BES anunciou na quarta-feira

um resultado líquido negativo de 3.577,3 milhões de euros entre janeiro e junho, um valor que compara com o prejuízo de 237,4 milhões de euros, apurado no primeiro semestre de 2013.

O novo presidente executivo do BES, Vítor Bento, anunciou logo após a divulgação dos resultados semestrais do banco que a instituição vai avançar imediatamente com um aumento de capital, num montante que os analistas estimam em 4 mil milhões de euros.