A família do compositor José Afonso rejeitou esta quarta-feira a proposta da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) de trasladação dos restos mortais do músico para o Panteão Nacional.

José Afonso rejeitou em vida as condecorações oficiais que lhe haviam sido propostas. Foi, a seu pedido, enterrado em campa rasa e sem cerimónias oficiais, em total coerência com a sua vida e pensamento. Por isso, apesar da meritória intenção que inspira a proposta, é a sua vontade que deve ser respeitada" refere uma nota divulgada pela família do criador de “Grândola, Vila Morena”.

A nota, assinada por Pedro Afonso, um dos quatro filhos do músico, adianta que "a família considera fundamental a salvaguarda e fruição da obra de José Afonso e a defesa dos seus direitos de autor, contando para tal com o superior envolvimento do Estado Português e da SPA, nomeadamente para que se garanta a recuperação e preservação das gravações originais".

"Figuras mais marcantes"

Em comunicado divulgado na terça-feira, a SPA defendeu a trasladação dos restos mortais de José Afonso para o Panteão Nacional, em Lisboa considerando que “é este o tributo e é esta homenagem que Portugal deve a quem como mais ninguém o soube cantar em nome dos valores da liberdade, da democracia, da cultura e da cidadania”.

Para a SPA, José Afonso (1929-1987) é "uma das figuras mais marcantes da história da vida cultural e artística portuguesa".

A cooperativa de autores assumiu "publicamente o compromisso de lutar por este legítimo e inadiável ato de consagração que deverá coincidir com os 90 anos do nascimento [de José Afonso] e com os 45 anos do 25 de Abril".

Na quarta-feira, em declarações à agência Lusa, a viúva de José Afonso, Zélia Afonso, mostrou-se surpresa com a proposta da SPA.

A única coisa que eu posso acrescentar é dizer que foi uma surpresa e que o Zeca pediu que fosse [sepultado] em campa rasa, em Setúbal, e eu estou determinada a que assim permaneça", ressalvando, no entanto, haver mais pessoas na família.

José Afonso era pai de quatro filhos, dois do casamento com Zélia Afonso, e dois do primeiro casamento. Destes, há uma filha viva.

Sem querer tecer mais comentários sobre a proposta da SPA, Zélia Afonso disse não compreender a razão por que o organismo apresentou agora esta intenção.

Em maio de 1983, o músico foi homenageado pelo município de Coimbra, tendo recebido a Medalha de Ouro da cidade. Na ocasião o então presidente da câmara, Mendes Silva, agradeceu a José Afonso a quem se dirigiu tendo afirmado: "Volta sempre, a casa é tua". O compositor retorquiu: "Não quero converter-me numa instituição, embora me sinta muito comovido e grato pela homenagem".

Também nesse ano, o então Presidente da República, António Ramalho Eanes, atribuiu a José Afonso a Ordem da Liberdade, mas o cantor recusou-se a preencher o formulário.

Em 1994, o Presidente da República, Mário Soares, tentou condecorar postumamente José Afonso com a Ordem da Liberdade, mas Zélia Afonso recusou, alegando que o músico não desejou a distinção em vida e também não seria condecorado após a sua morte.