O músico português The Legendary Tigerman juntou-se hoje ao norte-americano Eddie Vedder no palco principal do Super Rock, durante o concerto a solo do vocalista dos Pearl Jam, que passou em revista mais de 20 anos de carreira.

Eddie Vedder apresentou o português como um «excelente guitarrista e músico», que disse «conhecer há pouco tempo», mas que o público «devia conhecê-lo há muito».

«Se queres falar contra a guerra é melhor estares acompanhado», disse, antes de Paulo Furtado entrar em palco para juntos interpretarem «Masters of War», de Bob Dylan.

Duarante o espetáculo, o vocalista dos Pearl Jam voltou a aflorar o tema, para explicar que ser «Anti-Guerra não significa que estejas de um lado ou do outro num conflito».

Na semana passada, num concerto em Londres, o músico fez um discurso que foi interpretado como uma defesa do povo palestiniano.

«Fui acusado de estar do lado dos palestinianos», disse, acrescentando que, «ser Anti-Guerra é ser Pro-Paz, Pro-Evolução, Pro-Diplomacia, Pro-Amor e Pro-Humano».

Ainda no tema Guerra/Paz, Eddie Vedder interpretou «Imagine», de John Lennon, «a mais poderosa canção jamais escrita«, que, por isso, nunca tinha tocado antes ao vivo.

Eddie Vedder deveria ter começado a tocar à 01:00, mas «problemas técnicos» no palco secundário fizeram com que o concerto acabasse por começar uma hora atrasado.

No entanto, tal não demoveu os milhares que permaneciam junto ao palco principal para ver e ouvir ao vivo o vocalista de uma das bandas pioneiras do movimento grunge.

Apesar de já ter editado dois álbuns a solo, grande parte do alinhamento fez-se com canções dos Pearl Jam, das mais antigas, como «Black» e «Porch», do álbum de estreia da banda («Ten», de 1991), e «Immortality» (Vitalogy, de 1994), às mais recentes como «ust Breathe» («Backspacer», de 2009).

No regresso ao passado, Eddie Vedder recordou a primeira vez que os Pearl Jam atuaram em Portugal, no Pavilhão Dramático de Cascais, em 1996, com uma canção improvisada na altura, na qual o músico repetia diversas vezes palavra «Portugal».

Os Pearl Jam mantêm em Portugal uma vasta legião de fãs, que não faltaram ao concerto de hoje, e a quem Eddie Vedder retribuiu com algumas palavras na língua de Camões: «Boa Noite», «Saúde» (fazendo um brinde com o vinho que ia bebendo ao longo do espetáculo), «Confio em Portugal» e «É bom estar de volta». «Português é muito difícil», referiu.

O público respondeu com «Eddie, Eddie», palmas, assobios e coros, principalmente em canções dos Pearl Jam.

O músico agradeceu a «rara oportunidade de tocar num festival com bandas e artistas tão bons», aproveitando para chamar ao palco uma das suas artistas favoritas: Cat Power.

A norte-americana, que atuou momentos antes no palco secundário, juntou-se a Eddie Vedder para cantar «Tonight you belong to me», do segundo álbum a solo do vocalista dos Pearl Jam.

Vedder contou ainda histórias da sua adolescência, falou dos irmãos, e de um tio, «Bob», que lhe «ensinou muito» e que morreu pouco antes desta digressão começar.

Quase no final do concerto, Eddie Vedder tocou «Big Hard Sun», acompanhado por Cat Power, da banda que acompanha a cantora, e do baterista português Paulo Segadães.

O espetáculo terminou já perto das 04:30.

O Super Rock termina hoje, com os Kasabian como cabeça de cartaz.