O grupo britânico Massive Attack atuará a 15 de julho, no festival Super Bock Super Rock (SBSR), em Lisboa, acompanhado do trio escocês Young Fathers, revelou hoje a organização.

Os Massive Attack têm uma antiga relação com os palcos portugueses e regressam agora ao mesmo festival onde atuaram em 1996, 2004 e 2014. O grupo embarca numa nova digressão no ano em que já editou o EP "Ritual Spirit" e prevê a edição de outro, antes de lançar um novo álbum, no final de 2016.

A 22.ª edição do SBSR decorrerá de 14 a 16 de julho, em vários espaços do Parque das Nações, estando já confirmadas as atuações de nomes como Kendrick Lamar, The National, Kurt Vile, Block Party e Disclosure.

Os Massive Attack surgiram em 1988, em Bristol, associados, na altura, a um movimento recente na música intitulado trip hop. Do grupo faziam parte Robert Del Naja, Grant Marshall e Andy Vowles, embora só os dois primeiros permanecessem até à atualidade.

Quase a completarem trinta anos, os Massive Attack publicaram o último álbum, "Heligoland", em 2010, seguindo-se, em 2011, um registo de edição limitada, com o produtor Burial.

Em janeiro, lançaram o EP "Ritual Spirit", produzido por Robert Del Naja, que conta com as participações de Tricky, Roots Manuva, Azekel e Young Fathers, estando prevista a edição de um outro EP, com canções escritas por Grand Marshall.

Ao longo da carreira, os Massive Attack quase sempre manifestaram, pela música, uma posição de ativismo e opinião em relação ao tempo em que vivem, alertando para a globalização ou para as alterações climáticas, questionado sobre privacidade e liberdade perante a Internet e a tecnologia.

Em dezembro, quando a Organização das Nações Unidas organizou em Paris uma conferência internacional sobre alterações climáticas, os Massive Attack lançaram um curto filme, "La fête est finie", sobre as empresas petrolíferas.