A autobiografia de Morrissey foi editada na quinta-feira e em poucas horas era já o livro mais vendido na loja online britânica da Amazon. É que em «Autobiography», o ex-vocalista dos The Smiths não só fala das aventuras e desventuras no mundo da música, mas abre também o jogo sobre a sua vida privada.

Morrissey revela que a sua primeira relação séria aconteceu depois dos 30 anos, durante a década de 1990, e que foi com um homem. «Pela primeira vez na minha vida, o eterno "eu" torna-se em "nós", quando, finalmente, consigo relacionar-me com alguém», escreveu o músico sobre um namoro que durou dois anos.

Esta é a primeira vez que Morrissey fala abertamente sobre a sua orientação sexual, depois de décadas de especulação. No novo livro, o cantor confessou ainda que «a primeira mulher» por quem se apaixonou era, afinal, um homem: o baterista Jerry Nolan na capa do álbum de estreia dos New York Dolls.

Outras das histórias que fazem parte deste «Autobiography», e que já começaram a ser reveladas pela imprensa britânica, são a batalha legal com o baterista dos The Smiths, Mike Joyce, a «conspiração» contra si por parte da revista «NME», a sua admiração por telenovelas britânicas, e a tentativa de rapto de que foi alvo, no México, em 2007.

Depois de um concerto, o motorista do carro que o transportava de volta para o hotel sai da autoestrada para um caminho escuro. Temendo pela própria vida, Morrissey reagiu: «"Pare este carro!", gritei eu, e comecei a bater com os punhos na parte de trás do banco do condutor (...) O carro arrancou depois de eu ter saltado fora dele».