Os primeiros fãs dos Rolling Stones começaram a chegar cerca das 07:00 desta terça-feira à porta da FNAC do centro comercial Colombo, em Lisboa, para comprar bilhetes para o concerto marcado para o festival Rock in Rio em maio.

Na frente da fila estava Paulo Pereira Gomes, de 51 anos, que garante ser «o fã número um» da banda e que chegou às 07:00 para cumprir uma tradição pessoal.

«Esta é a nona vez que vou ver os Rolling Stones», contou à Lusa, adiantando que a sua obsessão já lhe valeu ser convidado para assistir às gravações ao vivo de discos da banda de Mick Jagger.

A história aconteceu em 1990, quando Paulo Gomes tinha um bar no Bairro Alto chamado Mad House.

«Um dia faltou-me o gelo e fui ao bar do Hernâni, que ficava perto. Quando entrei vi o Hernâni a conversar com uma pessoa que eu não conhecia e a dizer-lhe que eu era o fã número 1 dos Rolling Stones», lembrou à Lusa.

A «pessoa desconhecida» era Luís Vasconcelos, dos estúdios Valentim Carvalho, que acabou por visitar Paulo Gomes no seu próprio bar para o convidar a ir aos estúdios no dia seguinte.

«Disse-me para ir em segredo e esconder o meu carro e eu pensei que os Rolling Stones ¿ que tinham dado um concerto no dia anterior em Portugal - iam receber um disco de platina».

Mas o que Paulo Gomes ia de facto assistir era à gravação de duas músicas no estúdio português ao lado dos técnicos de som.

«Entrei como segurança, abri-lhes a porta [aos membros da banda], eles entraram sem cumprimentar e vi o Keith Richards com a mesma camisa que tinha no concerto e um cheiro muito forte», recordou este fã que compõe quase todas as frases com um título de canções do grupo inglês.

Entre os adeptos presentes na fila de cerca de uma dezena de pessoas para comprar bilhetes para o concerto em Portugal, marcado para dia 29 de maio, a maioria referiu ter entre 50 e 55 anos, mas todos admitiram querer comprar entradas também para filhos e amigos mais novos.

Conceição Alegria, a segunda na fila, tem 52 anos e vai levar a filha de 18 anos, enquanto Mark Harding, de 51 anos, quer comprar «cinco ou seis bilhetes para os amigos que vêm de propósito de Londres».

E se estes fãs já contam e esquecem o número de vezes que assistiram a concertos da banda, outros, mais novos, anseiam pelas suas estreias a aplaudir Rolling Stones ao vivo.

É o caso de Diogo Marracho e de Miguel Sousa, ambos de 25 anos, que se levantaram antes da FNAC abrir para conseguir bilhetes para o concerto.

«É muito melhor essa música do que a de agora», explicou Diogo Marracho, que considera que 69 euros cobrados pelo bilhete «é muito pouco dinheiro quando comprado com o preço pedido, por exemplo, no último concerto em Espanha».

Mais velhos ou mais novos, a paixão é a mesma: ver os dinossauros do rock e que põem todos os fãs a conversar e a atropelarem-se em memórias como se se conhecessem há largos anos.

Para os mais velhos, músicas mais conhecidas como «You can¿t always get want you want» e «Brown Sugar» são as imprescindíveis, enquanto os mais novos esperam por novidades ou, pelo menos, canções menos tocadas. Mas todos, em coro, já cantam o hino: «I can¿t get no¿ satisfaction», como conta a Lusa.