Cerca de 60 festivais de música portugueses são candidatos à primeira edição do Portugal Festival Awards, prémios que pretendem reconhecer «o esforço de produção» de um evento de música, escreve a agência Lusa.

Os festivais, sobretudo na área do pop, rock e músicas do mundo, serão reconhecidos em 15 categorias, como capacidade de organização, cartaz, recinto, dimensão e sustentabilidade, sendo a maioria de votação aberta ao público.

Os vencedores serão anunciados a 25 de outubro, numa cerimónia na Aula Magna, em Lisboa, onde atuarão os nomeados na categoria artista revelação, acompanhados da West European Symphonic Orchestra: Samuel Úria, Anarchicks, Noiserv, DJ Ride e Memória de Peixe.

«Nesta primeira edição quisemos abranger quase todo o tipo de festivais, para reconhecer o esforço de produção», afirmou Rita Pires, uma das criadores dos prémios, no anúncio dos nomeados.

Os espectadores poderão votar no melhor festival de pequena (até cinco mil pessoas dia), média (até 15 mil pessoas/dia) e grande dimensão (mais de 15 mil pessoas/dia), no melhor festival urbano e não urbano, nas melhores casas de banho, campismo ou cabeça-de-cartaz.

Na categoria de festival de pequena dimensão estão nomeados 41 eventos, entre os quais o Milhões de Festa (Barcelos), Amplifest (Porto), Rock no Rio Sado e o OUT.FEST - Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro.

No de média dimensão foram registados 16 festivais, como o recente Caixa Alfama, dedicado ao fado, a D'Bandada, no Porto, e o Festival Músicas do Mundo de Sines.

Apenas seis foram considerado para a categoria de festivais de grande dimensão: Marés Vivas (Gaia), Sudoeste (Zambujeira do Mar), Alive (Algés), Primavera Sound (Porto), Super Bock Super Rock (Sesimbra) e Paredes de Coura.

Entre os melhores cabeças-de-cartaz nomeados estão, por exemplo, Rabih Abou-Khalil e The Klezmatics (Festim), Chick Corea (Funchal Jazz Festival), Depeche Mode, Green Day e Kings of Leon (Optimus Alive), Blur (Optimus Primavera Sound), Filipe Pinto e Boss AC (Rock na Vila), Queens of the Stone Age, Arctic Monkeys e The Killers (Super Bock Super Rock).

Ao júri escolhido pela organização, que inclui, por exemplo, o músico Zé Pedro, o animador de rádio Álvaro Costa, os jornalistas Miguel Cadete e Ruben Obadia, e a fotógrafa Rita Carmo, caberá eleger a melhor promotora, a empresa que melhor soube publicitar a sua marca, a sustentabilidade ou o contributo para o turismo.

De fora desta primeira edição do Portugal Festival Awards ficaram os festivais de música clássica e erudita, os de cariz folclórico e os que estão associados à programação de uma instituição cultural como a Fundação Calouste Gulbenkian, a Casa da Música ou o Centro Cultural de Belém.

A organização identificou quase uma centena de festivais de música em todo o continente e ilhas, mas aos prémios candidataram-se 63 eventos de música, alguns da mesma promotora e que, no total, dizem somar 1,2 milhões de espectadores.

Os Portugal Festival Awards (Prémios dos Festivais de Portugal) são uma iniciativa que partiu de João Dinis e Rita Pires, que criaram o projeto numa incubadora de novas empresas em Lisboa.

Os prémios serão apenas de reconhecimento e não monetários e as votações decorrem a partir de hoje em www.portugalfestivalawards.pt.