O cenário pinta-se em tons de verde, com o azul do mar, ali bem perto, à espreita. Por aqui vão passar nomes incontornáveis da música mais alternativa, bem como os projetos emergentes que prometem dar que falar. A quinta edição do NOS Primavera Sound começa já esta quinta-feira e prolonga-se até 11 de junho, voltando a ter como anfiteatro natural o Parque da Cidade do Porto.

Foi em 2012 que a cidade do Porto acolheu pela primeira vez a versão portuguesa do Primavera Sound, um festival de música que acontece há quinze anos em Barcelona. Wilco, Flaming Lips, Yo La Tengo ou Explosions in the Sky foram alguns dos nomes que levaram mais de 70 mil pessoas – 60% das quais cidadãos estrangeiros – à cidade invicta.

Desde então, a marca Primavera Sound cresceu muito em Portugal e, hoje, assume um lugar coeso no panorama dos festivais de música nacionais. No ano passado, mais de 77 mil pessoas, de 40 nacionalidades diferentes, foram aos três dias do festival, onde estiveram artistas como Patti Smith, Interpol, Ride e Underworld.

O maior trunfo do Primavera Sound é o cartaz, que à semelhança do que acontece em Barcelona, se distingue por ser eclético e diversificado, juntando nomes consagrados a novas promessas.

VEJA TAMBÉM: Tudo o que precisa de saber sobre o festival

Entre os destaques do palco principal, o palco Nos, estão PJ Harvey, Brian Wilson, Sigur Rós, Air, Animal Collective, Beach House, Moderat e Deerhunter. Dizemos-lhe agora o que pode esperar destes concertos.

PJ Harvey

10 de junho, 22:35

Um ícone do rock da década de 90, a britânica Polly Jean Harvey, agora com 46 anos, traz o ainda fresco “The Hope Six Demolition Project” na bagagem. 

“The Hope Six Demolition Project”, o nono álbum de estúdio da cantora, que foi lançado em abril, dá continuidade à exploração do seu anterior “Let England Shake” (2011): o rock como forma de assinalar uma posição política e uma intervenção social - um disco que é também um statement. Agora, com as viagens que fez ao Kosovo, ao Afeganistão e a Washington como pano de fundo. O nome do álbum é, de resto, uma alusão ao projeto “Hope VI”, que visou a demolição de bairros sociais nos Estados Unidos.

Mas a julgar pelo alinhamento com que se apresentou no Primavera Sound de Barcelona, os fãs também poderão revisitar trabalhos mais antigos, como “To Bring You My Love” (1995), o aclamado terceiro disco que projetou a carreira da cantora.

Brian Wilson

10 de junho, 20:00

Com 73 anos, é um dos mais importantes músicos e compositores dos anos 60, cuja influência atravessa gerações. Brian Wilson é o fundador dos Beach Boys e vai tocar, na íntegra, o álbum da banda norte-americana "Pet Sounds".

"Pet Sounds" faz 50 anos - foi editado em maio de 1966 - e é mais do que “o álbum” dos Beach Boys. É um disco que é considerado um marco na história da música, pela exploração de novas sonoridades, até então (praticamente) desconhecidas na música pop. Associados ao surf rock que se alimentava do sol da Califórnia, os Beach Boys trouxeram com "Pet Sounds" efeitos e texturas que desconstruíram as melodias certinhas da pop, aproximando-os do estilo psicadélico e das correntes mais vanguardistas.

Mais do que isso, é um álbum que representa a memória viva de uma época e, que, ao mesmo tempo, se demarca pela sua intemporalidade – canções como “Wouldn’t it be nice” ou “God Only Knows” são capazes de unir pais e filhos a uma só voz. E no NOS Primavera Sound é esperado que aconteça isso mesmo: um encontro de gerações, reunidas para testemunhar essa lenda viva que é Brian Wilson.

Air

11 de junho, 22:30

Amor, Imaginação e Sonho (AIR). A música de Jean-Benoît Dunckel e Nicolas Godin dá-nos isto tudo e muito mais. A dupla francesa conta com 20 anos de carreira e chega ao Porto com o estatuto de referência da música eletrónica.

Fazem parte da sua discografia álbuns tão aclamados como Moon Safari (1998), Talkie Walkie (2004) ou Pocket Symphony (2007), apesar de também serem conhecidos pela banda sonora do filme de Sofia Coppola "As Virgens Suicidas" (2000).

Temas como "Sexy Boy", "Cherry Blossom Girl" e "Playground Love" prometem levar o público do festival a uma viagem pelas superfícies da eletrónica espacial.

 

Sigur Rós

9 de junho, 22:20

Os islandeses Sigur Rós são uma banda de post-rock que, ao longo dos anos, criou em Portugal um público muito fiel. A última vez que estiveram por cá foi em 2013 para dois concertos, em Lisboa e no Porto.

São donos de um registo que vai buscar influências à música eletrónica de ambiente e às texturas da dream pop. As suas músicas transportam-nos para o frio das paisagens nórdicas, com doses de melancolia q.b..

Não vêm apresentar um álbum novo, mas, nos últimos concertos, brindaram os fãs com um tema inédito, "Óveður".

A julgar pelos alinhamentos recentes, temas mais populares entre o público como "Sæglópur" e "Glósóli", do álbum "Takk", de 2005, ou "Vaka" do álbum "( )", de 2002, deverão fazer parte do concerto no Porto.

 

Animal Collective

9 de junho, 01:10

Os Animal Collective já têm 15 anos de carreira e, este ano, chegam ao Porto com um trabalho novo: o álbum "Painting With". Um disco que segue a linha dos anteriores “Merriweather Post Pavilion” (2009) e “Strawberry Jam” (2007).

A música desta banda formada em Baltimore, Estados Unidos, experimenta géneros e universos tão diferentes como a folk, o indie e a música psicadélica, num mix explosivo e vibrante. Este cocktail cheio de energia, que desconstrói os conceitos convencionais da música pop, é muito acarinhado pelo público português. A título de curiosidade, um dos seus integrantes, Noah Lennox ou Panda Bear, vive em Lisboa e até tem uma música chamada “Benfica”.

Beach House

10 de junho, 01:15

Os Beach House já deixaram há muito de ser uma promessa, com trabalhos amplamente elogiados pela crítica e pelo público. A dupla norte-americana constituída por Victoria Legrand (voz e teclados), e Alex Scally (guitarra e teclados), cruza as sonoridades da dream pop com as texturas do shoegaze. São melodias celestiais, que prometem envolver o Parque da Cidade do Porto.

No ano passado, os Beach House editaram dois álbuns, "Depression Cherry" e "Thank Your Lucky Stars", que deverão marcar o alinhamento do concerto no Nos Primavera Sound. 

Moderat 

11 de junho, 01:00

Nasceram da junção de dois projetos a solo, Apparat e Modeselektor, e trazem a techno alemã a Portugal. Os ambientes industriais de Berlim chegam ao Porto com o novo trabalho, "III", depois de se terem estreado em Portugal em 2010, em Lisboa.

Ao contrário do que se poderia pensar, o concerto não será na tenda eletrónica, mas no palco principal.

Deerhunter

9 de junho, 20:00

A banda de Bradford Cox volta ao Nos Primavera Sound depois de ter atuado na segunda edição do festival, em 2013. Trazem músicas que partem do indie rock para estilos que vão do noise ao garage e ainda às texturas do shoegaze. 

O grupo norte-americano de Atlanta é, de resto, muito acarinhado pelo público português, que, agora, tem a oportunidade de ouvir o último disco “Fading Frontier”, lançado no ano passado.