Os músicos Paulo de Carvalho, Rui Veloso e António Zambujo são alguns dos muitos rostos apresentados esta quinta-feira pelo PCP como participantes na 41ª Festa do "Avante!", entre 1 e 3 de setembro, na "rentrée" política comunista.

A um mês das eleições autárquicas, as Quinta da Atalaia e do Cabo da Marinha, Seixal, vão receber diversas iniciativas de teatro, artes plásticas, cinema, ciência e desporto, mas também muitos debates e discussões políticas temáticas, com música espalhada por mais de 10 palcos.

O membro do Comité Central do PCP Ruben de Carvalho destacou, em conferência de imprensa, em Lisboa, os "40 anos de intervenção, esforço e valorização da música portuguesa" que a festa comunista tem garantido e que "tem dado os seus frutos".

Mudou muito, a música portuguesa, mas a festa tem acompanhado essas mudanças e etapas e prestado o seu contributo para a valorização do que se vai fazendo, desde a música de intervenção ao jazz, ao fado - que se discutia se haveria lugar para ele, em 1976... agora, há muito fado e bom! -, até à música erudita", disse.

O membro do secretariado nacional do Comité Central comunista Alexandre Araújo destacou tratar-se de "uma festa para todos, pela sua dimensão cultural, de fraternidade, camaradagem" e pelos seus "valores de democracia e de liberdade", além da "componente militante" da construção do recinto do evento, "amigo de crianças e de pessoas com mobilidade reduzida", sem esquecer o lema autárquico da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta PCP, "Verdes", Intervenção Democrática e independentes: "trabalho, honestidade e competência".

Paulo de Carvalho, Rui Veloso, António Zambujo, a banda espanhola Amparanóia, entre outras presenças estrangeiras, João Gil, Ala dos Namorados, Carlão, Celina da Piedade e Tatanka, Gisela João, Mão Morta, João Afonso, Capicua, Hélder Moutinho, Valete ou Pedro Jóia, são outros das centenas de intérpretes que vão estar presentes na Festa do "Avante!".

As "hostilidades" musicais começam na sexta-feira 1 de setembro, depois do discurso de abertura do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, por volta das 19:00, com o habitual concerto sinfónico, este ano dedicado à "Revolução de Outubro de 1917, 100 anos de futuro", com obras de Borodine, Stranvinsky e Shostakovich, entre outras.

Os concertos e outras atividades culturais decorrerão sábado e domingo, com numerosas atuações, além da intervenção política de fundo, no último dia, do líder comunista.