logotipo tvi24

Patti Smith dá concerto no Chelsea Hotel

Actuação acontece esta quinta-feira e é exclusiva apenas aos inquilinos permanentes do famoso hotel nova-iorquino

Por: Redacção    |   2012-01-11 16:52

Patti Smith actua quinta-feira no emblemático Hotel Chelsea, em Nova Iorque, onde se alojou durante anos a «madrinha do punk» e onde pernoitaram artistas como Bob Dylan, Jimi Hendrix e Janis Joplin, escreve a agência Lusa.

O concerto é privado e destina-se apenas a quem viveu de forma permanente no hotel, conforme divulgou no seu blog o escritor Ed Hamilton, que ali residiu durante mais de dez anos, e autor do livro «Legends of the Chelsea Hotel».

O hotel deixou de aceitar hóspedes em Agosto passado, no início do processo de remodelação levado a cabo pelo promotor imobiliário Joseph Chetrit.

Os residentes, maioritariamente artistas, continuam ali a viver apesar das obras, mas segundo Ed Hamilton, o promotor imobiliário está a tratar de os desalojar.

Patti Smith viveu no hotel nos finais dos anos 1960 com o fotógrafo Robert Mapplethorpe e actuará, assegura Hamilton, no rés-do-chão do edifício.

Patti Smith venceu em 2010 o National Book Award, pela obra «Just Kids», a sua estreia na narrativa, em que conta a sua relação con Mapplethorpe e a passagem pelo Chelsea, onde contactou com Janis Joplin e Jimi Hendrix.

Partilhar
EM BAIXO: Patti Smith no festival Roskilde 2010 (foto: Torben Christensen/EPA)
Patti Smith no festival Roskilde 2010 (foto: Torben Christensen/EPA)

Namorada de Mick Jagger morreu por amor?
Rolling Stones cancelam concerto na Austrália
Rolling Stones cancelam concerto após morte de namorada de Jagger
L'Wren Scott foi encontrada morta no seu apartamento em Nova Iorque com um lenço à volta do pescoço
Namorada de Mick Jagger encontrada morta
L'Wren Scott tinha 49 anos e foi encontrada já sem vida no seu apartamento
EM MANCHETE
Queda de muro em Braga mata três universitários
Estudantes eram todos caloiros. «Guerra de cursos» terá estado na origem do acidente
Execução orçamental: défice cai, mas despesa aumenta
Passos quer «fazer a função pública respirar»