O músico José da Ponte, de 60 anos, que fez parte da direção da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), morreu esta quinta-feira, no Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa, disse à Lusa fonte da cooperativa de autores.

O funeral do músico José da Ponte realiza-se na sexta-feira, da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), na capital, para o cemitério de Silves, no Algarve.

Fonte da SPA disse ainda à Lusa que o velório do músico, por sua vontade expressa, se realiza na sala Carlos Paredes, no edifício da cooperativa, na rua Gonçalves Crespo, em Lisboa, esta quinta-feira, a partir das 16:00.

Na sexta-feira, «após um pequeno ato», pelas 12:00, sai o funeral para o cemitério de Silves, onde o músico será sepultado, acrescentou.

José da Ponte foi compositor, baixista e produtor musical, tendo iniciado a atividade artística em 1976, com a participação no álbum «Homo Sapiens», um projeto do compositor José Luís Tinoco.

Com a cantora Lena d’Água e o teclista Luís Pedro Fonseca, Zé da Ponte fundou, em 1980, os Salada de Fruta, grupo que protagonizou sucessos como «Robot». Ao trio inicial juntaram-se, como convidados, Guilherme Inês (bateria), Moz Carrapa (guitarra) e Rui Cardoso (saxofone).

José da Ponte trabalhou na área de publicidade e fundou, em 1983, os estúdios de gravações áudio, Namouche escreve a Lusa.