Rappers de palmo e meio criam tema original

Sophia Grace e Rosie têm 8 e 5 anos, respetivamente, e ficaram conhecidas por gravarem uma canção de Nicki Minaj no YouTube

Por: Redação / AM    |   6 de Março de 2012 às 17:20
Sophia Grace e Rosie, de oito e cinco anos de idade, respetivamente, são duas meninas britânicas que têm feito grande sucesso nos Estados Unidos, especialmente graças à apresentadora de TV, Ellen DeGeneres.

É sabido que o YouTube catapulta muitos anónimos para a ribalta e este caso não foi exceção. O vídeo de Sophia Grace e Rosie a cantarem e dançarem a música «Super Bass», de Nicki Minaj, captou a atenção da apresentadora que as chamou ao programa para conhecerem uma das suas maiores fontes de inspiração. Sophia teve inclusive a oportunidade de cantar ao lado da rapper.

Sophia Grace é quem canta e Rosie, a «hype girl», dança e dá-lhe a confiança de que precisa para soltar a voz. Desde a primeira aparição no programa de Ellen, as duas compinchas têm sido convidadas a voltar e, sempre que regressam, animam a plateia com os seus tutus de ballet e as suas tiaras.

Depois de uma tarde de compras numa loja de brinquedos oferecida por Nicki Minaj, de uma visita à Disneyland e de uma passagem pela carpete vermelha dos American Music Awards e dos Grammys, Sophia Grace voltou ao programa «Ellen», onde já tinha cantado ao vivo temas como «Rolling in the Deep» (Adele) e «Turn My Swag On» (Keri Hilson). A menina de 8 anos cantou um tema original, sobre a viagem ao mundo da Disney, chamado «Princess Swagger».

Para além de Nicki Minaj, as duas amigas já tiveram a oportunidade de conhecer Rihanna e de entrevistar Taylor Swift.





Partilhar
EM BAIXO: Sophie Grace and Rosie
Sophie Grace and Rosie

COMENTÁRIOS

PUB
Governo «desconfortável» com a situação dos professores

Quase 10% dos horários das escolas abrangidas pela bolsa de contratação continuam sem docentes. Ministério da Educação revela que há 250 horários por preencher. «Nós estamos desconfortáveis porque aquele trabalho não deveria ter sido feito e detetou um erro e esse erro é lamentável», admitiu o secretário de Estado