logotipo tvi24

Shakira recusa Carnaval por alegada gravidez de risco

Escola de samba do Rio de Janeiro convidou a cantora para participar nos desfiles do próximo ano

Por: Redacção    |   2012-09-19 18:14

Shakira terá recusado o convite de uma escola de samba para participar no Carnaval do Rio de Janeiro por estar alegadamente a viver uma «gravidez de alto risco».

A notícia é do portal Globo, que cita a assessoria de imprensa da Mocidade Independente de Padre Miguel. O convite para ser a rainha do desfile da Mocidade em 2013 foi endereçado à cantora colombiana em maio.

Segundo a revista colombiana «Gente y la Actualidad», Shakira ainda não confirmou estar grávida do futebolista Gerard Piqué por ter contraído toxoplasmose, uma doença infecciosa provocada pela ingestão de alimentos crus ou mal cozinhados e que poderá levar a malformações no feto.

O tema do desfile da Mocidade no próximo ano será o festival Rock in Rio e, por isso mesmo, para além de Shakira, foram também convidadas as cantoras Rihanna e Katy Perry.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Aos 35 anos, Shakira soma sucessos

6. Shakira: 17,7 milhões de seguidores no Twitter e 53,6 milhões de fãs no Facebook (Reuters) EM CIMA: 6. Shakira: 17,7 milhões de seguidores no Twitter e 53,6 milhões de fãs no Facebook (Reuters)

Boom Festival rejeita eventual ligação a atividades com droga
A organização refuta «inequivocamente uma eventual ligação do Boom Festival a qualquer tipo de substâncias ilícitas»
Jennifer Lopez «cresceu» 13 centímetros
Na capa do novo álbum a cantora
Sem-abrigo que Miley Cyrus levou aos prémios MTV é procurado pela polícia
Jesse Helt é alvo de um mandado de prisão das autoridades do estado do Oregon
EM MANCHETE
BES: PGR explica equipa especial
Joana Marques Vidal afirmou ser necessário ter uma «visão integrada e adequada» do caso
Governo deixa cair aumento da TSU e do IVA para 2015
Goldman Sachs emprestou 636 milhões ao BES
PUB
Ordem dos Advogados apresenta queixa-crime contra ministros

Em causa o novo mapa judiciário. Ordem dos Advogados fundamenta a queixa-crime com o que considera ser um «atentado ao Estado de Direito»