logotipo tvi24

Amazon lança novo disco de Bruce Springsteen por engano

Loja online publicou, duas semanas antes da data de edição, o novo álbum do músico norte-americano, «High Hopes»

Por: Redacção / JCS    |   2013-12-30 13:02

Hoje em dia, é raro o disco que não seja divulgado na Internet, ilegalmente, antes do seu lançamento oficial. Mas desta vez, o infrator foi uma das maiores lojas online do mundo: a Amazon publicou, por engano, todas as faixas de «High Hopes», o novo álbum de Springsteen, durante o passado sábado.

Segundo a revista «Billboard», as canções estiveram disponíveis para download individual em MP3 através da versão para telemóveis do site da Amazon. Assim que as faixas começaram a ser partilhadas, a loja online retirou-as, mas era tarde de mais - «High Hopes» já pode ser descarregado ilegalmente na Internet.

Com lançamento oficial marcado para 13 de janeiro, o 18º disco de estúdio de Bruce Springsteen é composto por covers de originais de outros artistas, bem como versões alternativas de clássicos do músico norte-americano.

«Just Like Fire Would» (de Chris Bailey) ou «The Ghost of Tom Joad» e «American Skin (41 Shots)» são alguns dos temas de um álbum cujo primeiro single de apresentação é «High Hopes» (um original de Tim Scott McConnell).

Os nomes do guitarrista Tom Morello (Rage Against The Machine, Audioslave) e os falecidos músicos da E Street Band, Clarence Clemons e Danny Federici, destacam-se nos créditos de «High Hopes».

Partilhar
EM BAIXO: Bruce Springsteen no concerto «12-12-12» em Nova Iorque (Reuters)
Bruce Springsteen no concerto «12-12-12» em Nova Iorque (Reuters)

Ricky Martin estreia tema para o Mundial do Brasil
Cantor porto-riquenho lança videoclipe de «Vida», uma das faixas do álbum oficial do Campeonato do Mundo de Futebol
OliveTreeDance lançam novo álbum com jogo de tabuleiro
«Symbology» é o nome do novo álbum da banda portuguesa
Pharrel Williams volta com «Marilyn Monroe»
Depois de «Happy» cantor volta a surpreender
EM MANCHETE
Miró: MP trava saída de quadros
Tribunal Administrativo de Lisboa aceitou a terceira providência cautelar interposta pelo Ministério Público e travou o leilão que estava marcado para junho.
Fenprof leva vinculação docente ao fim de cinco anos ao Constitucional
Reforma permanente das pensões deve avançar