Contra as projeções mais pessimistas, a chuva ficou de fora deste segundo dia do NOS Primavera Sound. O sol iluminou os concertos no Parque da Cidade do Porto, com destaque para os ingleses Idles que abriram o palco principal e conquistaram o público.

Graças ao radicalismo e à energia do punk, a banda britânica ofereceu uma atuação cheia de energia, com o guitarrista da banda a descer do palco e a vaguear até ao público, que vibrou e chegou mesmo a cantar ao microfone com fios.

Os ingleses desfiaram o álbum de estreia Brutalism, lançado em 2017, e também passaram por “Joy as an Act of Resistance”, o segundo longa duração da banda, com data de lançamento prevista ainda para este ano.

Solar Corona e Black Bombaim ficaram encarregues de inaugurar o dia soalheiro no Parque da Cidade, ao mesmo tempo que os primeiros festivaleiros chegavam ao recinto,  não desiludindo os fãs com guitarradas psicadélicas e um ritmo frenético, a convidar para um pézinho de dança.

Ibeyi, a dupla francesa de Lisa-Kaindé Diaz e Naomi Diaz, irmãs gémeas de origens cubana e venezuelana, atuaram no palco Pichfork já depois de os Yellow Days terem inaugurado este espaço do NOS Primavera Sound.

Zeal & Ardor mostraram ao público o seu estilo, mais a puxar para o metal, mas com alguma opções mais experimentais, enquanto os Shellac mantiveram a tradição, uma vez que atuaram em cada uma das sete edições.

De um trabalho de escritório em Atlanta, nos Estados Unidos, como designer e ilustradora, Mattiel Brown saltou para os palcos do NOS Primavera Sound, no Porto, para se apresentar no p SEAT, antes do indie rock dos norte-americanos Grizzly Bear.

Two Weeks foi o tema que mais entusiasmou o público, que ficou conhecido como "a música do anúncio".

Antes ds Grizzly Bear foi tempo de The Breeders aquecerem o final de tarde no Parque da Cidade, tocando várias músicas de trabalhos mais antigos, como a Cannonball, mas também várias do All Nerve, último álbum e lançado em março deste ano, 10 anos depois do último trabalho.

Esta foi, aliás, o último concerto da digressão de The Breeders, conformou Kim Deal, que se despediu dos palcos com o  tema Gigantic, do álbum dos Pixies, Surfer Rosa (1988).

Vince Staples foi quem aqueceu o palco principal para A$AP Rocky, ao mesmo tempo que Mavi Phoenix dava um ar da sua graça no palco SEAT.

Com um corredor que entrava pelo público adentro, A$AP Rocky foi a grande estrela da noite, com um público completamente rendido a seus pés, naquela que foi a estreia absoluta do rapper norte-americano em terras lusitanas.

A$AP Rocky é uma das vozes mais sonantes do hip-hop norte-americano dos nosso dias e aproveita isso da melhor maneira: no Porto deixou o público à espera uma cerca de 15 minutos, com uma playlist a transmitir alguns dos temas mias conhecidos do rapper. Quando entrou em palco, o rapper não desiludiu e o público respondeu da melhor maneira aos chamamentos de A$AP Rocky.

Findo o concerto no palco principal, Floating Points continuava a pôr o público a mexer, enquanto Helena Hauff cancelava a atuação no Primavera Bits.

A noite continuou neste palco, com a sonoridade mais eletrónica a satisfazer várias centenas de festivaleiros no palco.

Este sábado acaba o NOS Primavera Sound, mas há muita expectativa em ver Nick Cave & The Bad Seeds, banda que esgotou os ingressos para esta data com relativa velocidade.