O músico canadiano Bryan Adams disse hoje que a sua dedicação à fotografia é feita a cem por cento, tal como na música, e rejeita intitular a sua arte de fotografar como um passatempo.

Bryan Adams, que inaugurou hoje uma exposição fotográfica no Centro Cultural de Cascais, disse aos jornalistas que tudo o que faz, entrega-se a cem por cento, rejeitando, por isso, que vejam o seu trabalho fotográfico como um passatempo.

«Não interessa se é para uma revista ou para a minha coleção. Temos de trabalhar muito», afirmou, em conferência de imprensa.

«Exposed» é uma exposição que reúne uma centena de retratos a personalidades do entretenimento, da cultura e da moda, entre as quais se encontram o treinador português José Mourinho e as fadistas Gisela João, Ana Moura, Aldina Duarte, Cuca Roseta e Carminho, cuja beleza encantou o músico.

«Não foi uma ideia minha. Foi a Vogue que as escolheu e apresentou-me a proposta e eu achei logo ótima ideia. São mulheres lindíssimas. Tentei captar algo especial e, além disso, queria algo que não fosse só internacional, mas também nacional», afirmou Bryan Adams.

O músico canadiano considera-se um «priveligiado» e um «sortudo», por poder expor o seu trabalho fotográfico, que disse tratar-se de uma retrospetiva do seu mundo nos últimos 50 anos.

Além do
glamour das personalidades da moda, do cinema ou da música, como Mick Jagger, Morrissey, Amy Winehouse, Ben Kingsley, Julianne Moore ou Kate Moss, «Exposed» inclui ainda uma mostra fotográfica de soldados vítimas da guerra.

«Ambos os lados são o que acontece no mundo de hoje. São fotografias reais», sustentou.

Outra das fotografias que se destaca na exposição é a da rainha Isabel II, captada apenas nos cinco minutos concebidos ao cantor para esse efeito.

A nudez é também marca em algumas fotografias da exposição, assim como o preto e branco.

«Gosto de pele, é isso», brincou Bryan Adams, sublinhando que as imagens a preto e branco, bem como as expressões captadas resultam do seu «instinto».

A escolha de Cascais para inaugurar a sua exposição foi igualmente uma decisão fácil para o cantor, já que foi onde passou alguns anos da sua juventude.

«Quando me lembro da minha juventude, as memórias que tenho são de Cascais. É um lugar muito bonito. Venho cá várias vezes com a minha família», contou.

Quanto à música, Bryan Adams prometeu atuar em Portugal «brevemente, talvez no próximo ano».

A exposição é feita a partir de «Exposed», o primeiro livro de fotografia de Bryan Adams, publicado em 2012 pela editora alemã Steidl.

Com curadoria de Anke Degenhard e Matt Humphrey, a mostra estará no Centro Cultural de Cascais até 01 de fevereiro.

Bryan Adams, que já expõe desde finais dos anos 1990 e assina produções fotográficas de moda, está em Portugal numa altura em que acaba de editar o álbum «Tracks of my years».

O disco, editado na segunda-feira, é feito sobretudo de versões - «Lay lady lay», de Bob Dylan, ou «Any time at all», dos Beatles - às quais juntou o inédito «She knows me».

Apesar de estar em digressão pela Europa até ao final do ano, o músico não tem qualquer concerto agendado para Portugal.

O último concerto de Bryan Adams em Portugal foi em 2012, no festival Rock in Rio Lisboa.