Morreu a lenda do rock & roll Chuck Berry, informou, este sábado a polícia do condado de St. Charles, St. Louis, Estado do Misouri.

O músico tinha 90 anos e foi encontrado morto à hora do almoço.

Numa publicação partilhada no Facebook, a polícia informa que Chuck Berry foi encontrado já inanimado, cerca das 12:40, e que ainda foram realizadas manobras de realização, porém sem sucesso. O óbito acabaria por ser declarado às 13:26.

Charles Edward Anderson Berry nasceu a 18 de outubro de 1926 na cidade de Saint Louis, no Misouri, e começou a tocar guitarra no liceu.

Na adolescência foi preso por tentativa de roubo e passou três anos num centro educativo, depois disso trabalhou durante algum tempo numa fábrica.

A carreira musical começou aos 15 anos, quando tocou uma versão de “Confessin’ the Blues”, de Jay McShann, numa festa da escola que frequentava.

Na década de 1950, Chuck Berry começou a dedicar-se à música a tempo inteiro. Nessa altura, formou um trio com o baterista Ebby Harding e o teclista Johnnie Johnson.

Em 1957, editou o seu primeiro álbum de originais, “After School Session”.

O último, “Rock it”, data de 1979. Apesar disso, a música de Chuck Berry manteve-se viva noutras décadas, tendo feito parte da banda sonora de filmes como “Regresso ao Futuro” e “Pulp Fiction”.

Em 1977, a agência espacial norte-americana NASA enviou para o espaço dois discos com música representativa do que era criado na Terra. Entre as escolhas estava “Johnny B.Goode”, de Chuck Berry, a única canção de ‘rock and roll’ na lista.

O músico foi também responsável, entre outros sucessos, por “Sweet Little Sixteen” e “Roll Over Beethoven”.

Em palco criou uma maneira de andar que músicos como Angus Young, dos AC/DC, imitaram.

Sobre ele, Stevie Wonder disse ser o “único verdadeiro rei do rock and roll”. Já John Lennon defendia que se “se tivesse de dar um outro nome ao ‘rock and roll’ poder-se-ia chamar-lhe Chuck Berry”.

Num livro editado no passado, “But What If We’re Wrong?”, sobre o que vai permanecer da cultura ‘pop’ para o futuro, o crítico Chuck Klosterman nomeou Chuck Berry como a derradeira figura do rock: "A figura de Chuck Berry é a mais pura destilação daquilo que entendemos como música rock. As canções que fez são essenciais, mas secundárias em relação a quem ele foi e por que as fez. Ele é a ideia em si".

 

Músicos reagem à morte do lendário guitarrista

Músicos como Brian Wilson, dos The Beach Boys, e Ringo Starr, dos The Beatles, lamentaram a morte do lendário guitarrista.

Estou tão triste por saber que Chuck Berry morreu. Ele era uma tremenda inspiração para mim e para tantos dos meus pares. Toda a gente que gosta de rock and roll vai sentir a falta dele”, lê-se numa publicação na página oficial do líder dos The Beach Boys, Brian Wilson, na rede social Facebook.

“R.I.P. (Descansa em Paz) e paz e amor Chuck Berry, senhor rock and roll”, escreveu o baterista dos The Beatles, Ringo Starr, na sua conta na rede social Twitter.

No Facebook, o ‘boss’ Bruce Springsteen lamentou a morte do “maior profissional, guitarrista e o maior compositor de rock and roll puro que alguma vez viveu”. “Esta é uma perda tremenda de um gigante de todas as eras”, acrescentou.

Já o músico Huey Lewis usou a rede social Twitter para lamentar a morte de Chuck Berry, “talvez a figura mais importante de todo o rock and roll”. “A sua música e a sua influência irão durar para sempre”, escreveu.

Foi também através do Twitter que o guitarrista Lenny Kravitz deu “vivas” a Chuck Berry. “Nenhum de nós estaria aqui se não fosses tu. Rock on irmão!”, afirmou. Esta mensagem foi partilhada pelo músico Bruno Mars, que acrescentou: "RIP (Descansa em Paz).

Também Carole King e Billy Idol escreveram nas suas contas no Twitter “RIP (Descansa em Paz) Chuck Berry”

Não terás outros deuses do rock antes dele. Chuck Berry [descansa em paz]”, escreveu o baterista Questlove, dos The Roots, na rede social Instagram.