O músico Prince morreu devido a uma overdose por medicamentos à base de ópio - normalmente utilizados para dores fortes -, afirmou, esta quinta-feira, fonte policial à agência de notícias Associated Press (AP), nesta quinta-feira.

De acordo com a AP, a fonte policial, que revelou a informação sob anonimato por não estar autorizado a falar com jornalistas, está próxima da investigação.

A polícia está a investigar se algum médico do músico prescreveu este tipo de medicamentos nas semanas que antecederam a morte.

No início de maio, o médico especialista em dependências, Howard Kornfeld, que tinha sido contactado por representantes do músico a 20 de abril, veio a público esclarecer que não chegou a reunir-se com Prince. O seu filho, que viajou para a casa do cantor antes do pai, foi quem fez a chamada para os serviços de emergência quando Prince foi encontrado inanimado. 

No entanto, segundo o advogado do médico, quando Andrew Kornfield chegou à casa de Prince, em Paisley Park, no dia 21 de abril, foi-lhe dito que o músico não o podia atender. O músico seria depois encontrado inanimado por um membro da sua equipa e foi Andrew Kornfield quem chamou o 911 (serviço de emergência médica equivalente ao 112 em Portugal).

Em conferência de imprensa, Andrew tinha consigo medicação à base de ópio para as suas dores de costas, mas que não deu nenhum desses medicamentos a Prince. O filho do médico foi ouvido pelas autoridades nesse mesmo dia e livre de voltar para casa, na Califórnia.

Um segurança do músico também rejeitou, em entrevista, que o músico tivesse alguma dependência de drogas. 

Eu acompanhei a rotina diária de Prince. Estive com ele em digressão durante meses. Por isso, se ele tivesse algum vício eu saberia. É algo que se nota”, afirma o guarda-costas, Chris Gaither.

Gaither também não considera que Prince fizesse um “mau uso” da medicação que tomava, mas deu a entender que os médicos faziam visitas com regularidade a casa do cantor.

Ele pode ter tido algum problema e teve que ir ao médico, que lhe prescreveu alguma medicação, mas não acredito que ele tivesse abusado de alguma coisa. Quando se trata de saúde, ele era uma pessoa responsável”, explica.

Prince morreu a 21 de abril, no Minnesota, a sua terra natal. A hipótese de suicídio tinha sido desde logo afastada, já que o corpo não apresentava sinais de trauma.

O músico passou as suas últimas horas de vida sozinho, na mansão-estúdio no Paisley Park, no Minnesota. O cantor, de 57 anos, foi encontrado inconsciente no elevador do edifício mais de 13 horas depois de ter sido visto com vida pela última vez. Segundo as autoridades, o cantor entrou na mansão cerca das 20:00 de quarta-feira e sou foi encontrado na manhã seguinte.

Fontes não identificadas, revelaram ainda que o músico se deslocou à farmácia na quarta-feira, cerca de uma hora antes de entrar na mansão, Prince parecia "frágil e nervoso".