Miley Cyrus juntou-se a Moby e aos Flaming Lips para gravar um vídeo que mistura drogas, sexo e imagens psicadélicas, intitulado «Blonde SuperFreak Steals the Magic Brain», o que traduzido à letra significa «Loira SuperEsquisita rouba o Cérebro Mágico».

Com cerca de cinco minutos, o vídeo foi gravado enquanto a cantora estava internada, depois de uma reação alérgica a um antibiótico que a levou a cancelar alguns concertos.

Originalmente o trio de artistas queria criar um vídeo para uma canção com referências à droga LSD, como contou Wayne Coyne, líder e vocalista dos Flaming Lips, à revista «Rolling Stone».

A sequência de imagens é tão bizarra que o músico norte-americano resolveu explicar à revista a história presente neste trabalho.

«Moby é um líder maléfico de um culto religioso, sedento de poder. Ele quer ter em sua posse a coisa psicadélica e sobrenatural mais valiosa do mundo: o cérebro do John F. Kennedy. Este cérebro contém a fórmula original da droga LSD. A Miley Cyrus tem o cérebro mágico e o Moby arranja uma ninfa loira para lhe roubar o cérebro», explicou Wayne Coyne.

Wayne Coyne, que está a colaborar com Miley no novo disco da cantora, o sucessor de «Bangerz», contou ainda o final do vídeo.

«A ninfa rouba o cérebro de Cyrus enquanto ela está em coma e quando esta acorda fica irritada quando vê que o seu cérebro foi roubado. Ela vai buscar um Pai Natal com a cara queimada e uma lésbica que estão numa nave espacial para perseguir a loira. Entretanto o Moby ganha poderes coloridos do inferno. No final, a loira mata o Pai Natal e a lésbica. Uma toupeira bebé fica com o cérebro», remata.