Nem só de música se fazem os festivais. E este é um deles. O Mimo Festival arranca hoje na cidade de Amarante, no distrito do Porto. São 53 atividades de acesso gratutito durante três dias, com artistas de 16 nacionalidades diferentes e é por isso e por tudo o resto que a organização diz que "dois ouvidos é pouco" para este festival. 

Esta é também a oportunidade de conhecer alguns dos mais relevantes artistas que se estreiam em palco português. É o caso do norte-americano Matthew Whitaker Trio, o pianista de 17 anos que se estreou com o disco “Outta the Box”, que o levou a pisar o Carnegie Hall, o Kennedy Center e o Lincoln Center e hoje pisa o palco principal do Mimo. 

Também de território norte-americano vem o super-grupo Hudson, composto por Jack DeJohnette, John Scofield, John Medeski e Scott Colley e os ingleses GoGo Penguin para o dia 22, domingo. O palco conta também com outras estreias estrangeiras: Shai Maestro Trio, do Israel, e os brasileiros Baiana System, Moacyr Luz e Almério.

Os portugueses Dead Combo atuam esta sexta-feira no festival na margem esquerda do rio Tâmega, mas têm já passagem para a edição brasileira. 

Desde meados de abril que estão confirmadas as presenças do sérvio Goran Bregovic, para o dia 22, e de Noura Mint Seymali e do brasileiro Otto para o dia 21.

Mesmo sendo um festival marcado por artistas estrangeiros há um cantor protuguês confirmado para sábado: Rui Veloso. O pai do rock português é pouco habitual em festas desta género. Ao autor de "Anel de Rubi" junta-se a revelação Bruno Pernadas, no domingo.

Mas voltando à "nossa terra", Marta Pereira da Costa, a única guitarrista profissional de fado em todo o mundo, sobe a palco ainda esta sexta-feira. 

Do país irmão, subirá ao palco principal, Ribeirinho, os BaianaSystem - que estão neste momento ligados a um movimento independente a decorrer neste país da América Latina. A música dos BaianaSystem pretende dar uma nova sonoridade urbana produzida na Bahia, mas foi em 2016 que o grupo ganhou visibilidade internacional com a faixa "Playsom", que fez parte da banda sonora do jogo Fifa 2016.

Construímos um festival que tanta felicidade proporciona às milhares de pessoas que nos acompanham. (...) Oferecer três dias únicos cheios de diversidade, música, arte, cinema e poesia, sempre com respeito ao património envolvente.", disse a diretora do festival, Lú Araújo.

Dona Onete, Moacyr Luz, Orquestra Chinesa Cheong Hong de Macau, Pablo Lapidusas International Trio, Timbila Muzimba são outras das propostas destacadas pela organização do festival onde a entrada é livre.

É mesmo verdade: música, do cinema, dos workshops, das masterclasses, da poesia e roteiros culturais de forma gratuira.

O Mimo Festival conta ainda com uma exposição de arte composta por obras de Amadeo de Souza-Cardoso, Almada Negreiros, Eduardo Viana, Francis Smith e Jorge Barradas. A mostra será inaugurada ainda hoje no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, mas estará em exposição até ao dia 28 de outubro, altura em que se vai assinalar o centenário da morte de Amadeo, uma vez que o pintor é de Amarante.

O Mimo Festival nasceu no Brasil em 2004 e desde 2016 que a cidade de Amarante também faz parte deste "mimo". Em 2017, nos três dias do festival passaram por Amarante mais de 60 mil pessoas. 

Consulte aqui o programa completo.