O fenómeno de “Despacito”, êxito firmado por Luis Fonsi e Daddy Yankee que tem feito história no panorama da música internacional, foi o vencedor dos Grammy Latino, conquistando quatro galardões, incluindo de melhor canção e melhor gravação do ano.

Na 18.ª edição dos Grammy Latino, que decorreram na noite de quinta-feira em Las Vegas, nos Estados Unidos, “Despacito” granjeou ainda o prémio de melhor fusão/interpretação urbana, pelo ‘remix’ com Justin Bieber, e o de melhor vídeo musical versão curta que – com mais de 4.300 milhões de visualizações – ostenta o recorde absoluto de visualizações na plataforma YouTube.

As discotecas de todo o planeta têm vibrado este ano com “Despacito” e na quinta-feira Luis Fonsi partilhou o extraordinário triunfo do tema com o ‘rapper’ porto-riquenho Daddy Yankee ou a compositora Erika Ender.

O espanhol Alejandro Sanz recebeu o Prémio Pessoa do Ano dos Grammy Latino.

O prémio de melhor álbum do ano e de melhor álbum de salsa foi para "Salsa Big Band", do músico panamense Rubén Blades com Roberto Delgado & Orquesta.

O talento emergente do dominicano Vicente García valeu-lhe três Grammy Latino, incluindo o prémio de melhor artista revelação.

O artista porto-riquenho Residente, que partiu como favorito com nove nomeações, obteve apenas dois galardões: melhor álbum de música urbana ("Residente") e melhor canção urbana ("Somos Anormales").

Os colombianos Diamante Elétrico também conquistaram dois gramofones dourados: melhor álbum de rock ("La Gran Oscilación") e melhor canção de rock ("Déjala Rodar"). Juanes foi distinguido pelo melhor álbum pop-rock por "Mis planes son amarte".

Com o prémio de melhor álbum Pop Vocal Contemporâneo ficou a colombiana Shakira por "El Dorado".

A pianista brasileira Eliane Elías venceu, com "Dance Of Time", o galardão de melhor álbum de jazz latino; enquanto Nando Reis conquistou o de melhor álbum de rock ou de música alternativa em língua portuguesa com "Jardim-Pomar".

"Trevo (Tu)", de AnaVitória & Tiago Iorc, foi distinguida como a melhor canção em língua portuguesa.

Para a 18.ª edição dos Grammy Latino eram candidatos o álbum "Até pensei que fosse minha", de António Zambujo, e um tema do projeto luso-brasileiro Língua Franca.

"Até pensei que fosse minha", o disco em que António Zambujo recria canções de Chico Buarque, estava nomeado para o Grammy Latino de melhor álbum de música popular brasileira, mas o prémio foi conquistado por "Dos Navegantes", de Edu Lobo, Romero Lubambo e Mauro Senise.

Já a música "A chapa é quente!", escrita por Emicida e Rael no projeto de hip-hop luso-brasileiro Língua Franca, do qual fazem ainda parte os portugueses Capicua e Valete, estava nomeada para melhor canção urbana, prémio que foi arrebatado então por "Somos Anormales", de Residente.

Em 2014, o fadista português Carlos do Carmo foi distinguido com um Grammy Latino de Carreira.