Com 25 anos de carreira, celebrados recentemente com o lançamento de uma nova compilação de êxitos, Tony Carreira estreou-se nos chats online esta terça-feira, no IOL.

O cantor respondeu às perguntas que foram sendo colocadas pelos fãs ao longo dos últimos dias e falou abertamente sobre vários temas - desde a ansiedade que continua a sentir antes de subir ao palco, até à admiração que sente por Roberto Carlos, «o Frank Sinatra da língua portuguesa».

Tony prepara o lançamento, em França, de um álbum de duetos com artistas francófonos (como Vincent Niclo, Anggun, Dany Brillant, Natasha St. Pier e Serge Lama) e esclareceu que só não faz o mesmo em Portugal, com cantores portugueses, pelo preconceito que existe em relação à sua obra.

«Eu não quero ser polémico, mas se calhar vou ter de o ser. É que, infelizmente, em Portugal isso não acontece. Não é que eu não tenha convidado, neste tempo todo, artistas portugueses a fazê-lo, mas eu não posso obrigar ninguém. E, se calhar, devia arranjar uma resposta mais politicamente correta, mas eu quero estar na verdade. E a verdade é essa: sempre que convidei um artista português para gravar um dueto comigo, exceto o André Sardet, é sempre um problema», contou.

«Teria todo o prazer, mas muito prazer mesmo, em cantar com muita gente em Portugal, com artistas que eu admiro e de quem gosto. Eu estou à espera. Fá-lo-ei com todo o prazer, estou disponível para isso.»

Outro dos temas abordados foi o gosto de Tony Carreira pela culinária. O cantor admitiu que nem sempre tem tanto tempo assim para se dedicar à cozinha, mas revelou que o seu novo prato preferido de confecionar é «massa com gorgonzola» - uma especialidade aprovada pela filha, Sara.

O IOL estreou, na segunda-feira, o vídeo do novo single, «Não Queiras Voltar P'ra Mim», e continuará a apresentar novidades de Tony Carreira durante o resto da semana, incluindo uma entrevista ao cantor sobre o teledisco gravado em França, o dueto em homenagem à amizade com Ricardo Landum, e o partilhar do palco com a filha de 14 anos.