O ex-vocalista dos Lostprophets, Ian Watkins foi condenado a uma pena efetiva de 29 anos de prisão (mais seis anos de pena suspensa), esta quarta-feira, noticia a BBC News. O tribunal de Cardiff, no País de Gales, considerou o músico de 36 anos culpado de várias acusações de pedofilia, incluindo a tentativa de violar um bebé e a prática de atos sexuais com menores de 13 anos.

Watkins tinha admitido a culpa em 13 das acusações, mas negou ter consumado o ato de violação de uma criança. O tribunal deu também como provado que o músico produzia e possuía material pornográfico pedófilo.

O juiz Justice Royce afirmou que o caso revelou «novos limites de depravidade». «Aqueles que marcam presença neste tribunal têm visto, ao longo dos anos, um grande número de casos horríveis. Mas este caso ultrapassa uma nova fronteira... Qualquer pessoa decente ficará chocada, revoltada e incrédula», disse o juiz.

No mesmo caso, o tribunal de Cardiff condenou ainda duas mulheres a 14 e 17 anos de prisão. As duas cúmplices de Ian Watkins puseram os seus respetivos filhos à disposição do músico, para além de também terem abusado sexualmente deles.

Apesar da condenação, o caso poderá ainda não estar encerrado, uma vez que a polícia galesa está a investigar a possível prática de atos de pedofilia de Watkins em outros países por onde os Lostprophets passaram em digressão, nomeadamente na Alemanha e nos EUA.