Os Godspeed You! Black Emperor foram os vencedores do Polaris Music Prize 2013, mas a banda de pós-rock aproveitou a escolha de «'Allelujah! Don't Bend! Ascend!» como melhor álbum canadiano do ano para criticar a própria existência do prémio.

Em comunicado, uma vez que faltaram propositadamente à gala do Polaris Prize, os Godspeed You! Black Emperor agradeceram a distinção, mas denunciaram aquilo que acreditam ser a insensatez de desperdiçar dinheiro numa cerimónia de prémios numa época de crise financeira.

«Organizar uma gala de prémios em tempos de austeridade e de declínio normalizado é uma coisa estranha de se fazer», escreveu o grupo.

O conjunto canadiano criticou ainda a existência do próprio prémio Polaris numa cerimónia «em que os músicos competem entre si para ganharem um cheque em tamanho gigante», defendendo que esse não é o propósito de quem faz música por gosto.

Por fim, os Godspeed You! Black Emperor protestaram ainda contra o patrocínio do evento pela marca de automóveis Toyota, «durante um verão em que o degelo dos calotes polares no Ártico pode ser visto em direto na Internet».

Quanto ao prémio monetário atribuído ao vencedor do Polaris Music Prize, cerca de 21 mil euros, a banda prometeu que será gasto para criar um programa que possibilite aos prisioneiros na província canadiana do Quebeque terem acesso a instrumentos musicais.

«'Allelujah! Don't Bend! Ascend!» sucede a «Metals», de Feist, como o melhor álbum canadiano do ano, e ficou à frente dos mais recentes discos dos Metz («Metz»), dos Metric («Synthetica») e de Tegan and Sara («Heartthrob»), entre outros.