O maestro Rui Massena vai fazer a abertura do próximo festival de Vilar de Mouros, em Caminha, que se realiza entre 30 julho e 2 agosto de 2014, após oito anos de interregno, escreve a agência Lusa.

A organização está a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA), Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), através do novo modelo do evento definido juntamente com a Câmara de Caminha e a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros e que vai vigorar até 2017.

«A importância e carga histórica deste festival mereciam uma abertura nobre. Nada melhor do que termos algo inovador, com um nome de muita qualidade para marcar a diferença», explicou o presidente da AMA, Marco Reis.

Em conferência de imprensa realizada esta terça-feira na sede da instituição em Viana do Castelo, a organização do festival - inteiramente assumida por aquela IPSS -, explicou que Rui Massena, um dos mais conceituados maestros portugueses e que esteve ligado à programação musical de Guimarães Capital Europeia da Cultura em 2012, vai contar em palco com «alguns convidados», mas sem revelar mais pormenores.

Também os principais nomes do cartaz, para «todas as idades» e a distribuir por dois palcos, serão revelados até final de outubro, altura em que serão colocados à venda os primeiros bilhetes.

Esta organização resulta de um protocolo celebrado entre a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros, proprietária dos terrenos onde se realiza o festival, a Câmara de Caminha e a AMA. Prevê a cedência de terrenos por parte das duas autarquias, além do apoio logístico de ambas ao evento, enquanto aos patrocinadores oficias caberá pagar o cartaz.

«Achamos obsceno que numa altura em que há pessoas a passar fome as autarquias paguem milhares de euros para festivais de música e por isso não pedimos nada à Câmara, em termos financeiros», afirmou o dirigente da AMA.

Com as verbas angariadas com os lucros da bilheteira, esta IPSS pretende construir o novo edifício multifuncional em Viana do Castelo, reforçando a capacidade de resposta, que já chega a 150 famílias. Será o primeiro em Portugal pensado de raiz para servir a população com autismo, com novos recursos e serviços, como um lar-residencial, e deverá custar cerca de 3,5 milhões de euros.

Marco Reis, que fundou a AMA em 2008, ele próprio pai de uma criança autista de 8 anos, admite não ter qualquer experiência de organização de um festival de música e que por isso foi buscar «as melhores pessoas» da área para apoiarem a instituição nessa tarefa.

«Há cinco anos também não percebia nada de IPSS, não sabia sequer o queria dizer e hoje a Segurança Social apresenta-nos como um exemplo de gestão a nível nacional. Penso neste edifício que queremos construir como o local onde o meu filho um dia vai morar», rematou.

O primeiro festival de Vilar de Mouros realizou-se em 1971 e contou com a presença de Elton John e Manfred Mann.

No verão de 2007, a um mês da sua realização, foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e não voltou a ser retomado.

A Câmara de Caminha defende tratar-se de uma forma de «fazer a diferença» no regresso do festival, com um propósito social, existindo a vontade de dinamizar o recinto do Vilar de Mouros durante todo o ano e não apenas nos quatro dias de música.