A fadista Carminho, a companhia brasileira de dança Grupo Corpo, o saxofonista moçambicano Moreira Conguiça e a cantora mexicana Eugenia León protagonizam, esta terça-feira, a cerimónia de abertura do festival «Iberian Suite», mostra de criação contemporânea ibérica, em Washington.

«Iberian Suite: Arts Remix Across Continents» vai decorrer até ao próximo dia 24, no Kennedy Center, e é a maior iniciativa de sempre dedicada à arte contemporânea portuguesa, nos Estados Unidos, segundo o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que se encontra na capital federal norte-americana.

A curadora de «Iberian Suite», Alicia Adams, por seu lado, disse à Lusa que a iniciativa, que contempla as culturas de Portugal e de Espanha, com participação de artistas da lusofonia e da América Latina, «vai mostrar uma face dos países ibéricos além da crise».

Nos últimos dois anos, a responsável visitou Lisboa e Porto, falou com agentes culturais, diplomatas, políticos e chegou a um extenso programa que mobiliza nomes como o fadista Camané, o artista urbano Alexandre Farto, conhecido como Vhils, a companhia de teatro Mundo Perfeito e o escritor Gonçalo M. Tavares, entre outros.

«O nosso único critério é a alta qualidade dos artistas, que têm de ter gabarito internacional», explicou Adams.

O Kennedy Center espera que o festival mobilize entre 200 mil e 400 mil visitantes e espetadores, chegando a mais de um milhão de pessoas, através de plataformas online e ações de formação junto das escolas.

Da programação teatral faz parte, por exemplo, a interpretação de «Ode Marítima», de Álvaro de Campos/Fernando Pessoa, por Diogo Infante e João Gil, «Contos em Viagem - Cabo Verde», pelo Teatro Meridional, «Três dedos abaixo do joelho» e «By Heart», da companhia Mundo Perfeito, e «What I heard about the World», pela Mala Voadora, com a companhia inglesa Third Angel.

Os arquitetos Eduardo Souto de Moura e Álvaro Siza Vieira são os autores da instalação «Jangada de Pedra», patente em frente ao Kennedy Center.

Estão previstos concertos de Carminho e Camané, acompanhados pela National Symphony Orchestra, assim como atuações de Rodrigo Leão, Sofia Ribeiro, Luísa Sobral, The Gift e António Zambu

Hoje, no jantar inaugural, será ainda apresentado o trabalho do artista de «novos media» Pedro Zaz que desenvolveu uma apresentação vídeo, a convite do Arte Institute.

Quarta-feira, a Biblioteca do Congresso acolhe a conferência do escritor Richard Zenith sobre Fernando Pessoa (“An Englishly Portuguese, Endlessly Multiple Poet”/ “Um ‘inglesmente’ português, poeta múltiplo sem fim”, em tradução livre), antecedendo a inauguração de uma exposição sobre o poeta.

O secretário de Estado da Cultura vai permanecer nos Estados Unidos até quinta-feira, em visita oficial, estando «agendadas reuniões com diversas entidades, tendo em vista uma maior presença da cultura portuguesa» naquele país.