O fadista Carlos do Carmo foi homenageado, esta sexta-feira, no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Câmara de Lisboa, depois de se ter tornado no primeiro artista português a ser distinguido internacionalmente com um «Lifetime Achivement Grammy».

Cerca de uma centena de personalidades da cultura, das artes e do poder político estiveram reunidas para homenagear o fadista Carlos do Carmo, galardoado com um «Grammy».

«Não interpreto este prémio como um prémio individual», disse Carlos do Carmo durante a cerimónia organizada pela Câmara de Lisboa.

Habituado a ouvir fado «desde muito cedo no ventre da mãe», o fadista frisou a importância da «canção de Lisboa» na sua vida.

«O fado deu-me tanto. O fado deu-me uma vida desafogada, uma família (...) proporcionou-me viajar, conhecer o mundo, conhecer pessoas e divulgar um pouco deste país», explicou o artista.

Carlos do Carmo já pisou alguns palcos de referência, designadamente o Olympia, em Paris, e o Royal Albert Hall, em Londres. «Na Europa, só não cantei na Alemanha, de resto cantei em todo o lado», disse.

Para o artista, «o fado é uma canção que tem qualquer coisa de particular e isso vê-se a cantar para povos que não entendem qualquer palavra do português, há qualquer coisa que mexe com o sentimento das pessoas, é inexplicável».

Promovida pela autarquia de Lisboa, o presidente da câmara António Costa referiu que «a cidade de Lisboa devia-lhe este agradecimento, porque este prémio, sendo um prémio individual, é um prémio que promove o fado e o conjunto de fadistas¿.

A distinção internacional ao fadista Carlos de Carmo representa ¿um pouco de toda a cidade de Lisboa que é reconhecida neste prémio e que certamente abre uma porta extraordinária para a promoção quer da edição discográfica quer dos concertos de todas as futuras gerações fadistas¿, disse o autarca.

António Costa fez uso do repertório do fadista para construir o discurso que apresentou durante a cerimónia de homenagem.

«Engradecem-te o passado. Se estás a tempo, recua, mas se não estás contínua. O futuro é o sítio onde se mora», declamou o presidente da câmara de Lisboa aos presentes.

O autarca justificou a sua escolha por ser «a melhor forma de o homenagear, pelas próprias palavras que ele tem cantado e no bastíssimo reportório que têm».

Do vasto repertório do fadista recorda-se «Duas lágrimas de orvalho», «Lisboa menina e moça» e «Canoas do Tejo».

Carlos do Carmo vai receber um «Lifetime Achivement Grammy», no dia 19 de novembro, no MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, no Estado norte-americano do Nevada.

«O 'Board of Trustees' da Latin Academy of Recording Arts and Sciences [LARAS] decidiu, por unanimidade, atribuir a Carlos do Carmo o 'Lifetime Achievement Award', galardão que distingue a obra das grandes referências do panorama musical internacional», indica a produtora do fadista em comunicado.

O Lifetime Achievement Award já distinguiu, entre outros, o brasileiro Roberto Carlos, Mercedes Sosa, Rocío Durcal, Chavela Vargas, Alberyo Cortez, Linda Ronstadt, María Dolores Pradera, Toquinho, Hebe Camargo, Juan Carlos Calderón e Luz Casal.

Em novembro deste ano, será estreado um documentário sobre a carreira do fadista intérprete de êxitos como «Estrela da tarde», «Os Putos», «Fado do Campo Grande», «Pontas Soltas» e «Canoas do Tejo».