A fadista Filipa Cardoso lança esta semana o seu primeiro álbum, «Cumprir seu fado», com letras inéditas e sem a ideia de um fado triste e amargurado.

«Houve da minha parte uma preocupação em cantar inéditos, não queria gravar nada que já tivesse sido gravado», contou Filipa Cardoso à Lusa.

«O fado não é triste, nem fatalista. É um grito da alma e pode ser alegre, triste, gargalhado, chorado, depende do estado da alma de quem o cante», continua a fadista.

Filipa Cardoso recordou que «houve uma altura em que não se identificava com os fados que cantava» e por isso afastou-se. Acabou por voltar, «mais decidida e sabendo que há muito para aprender».

O trabalho que apresenta «é reflexo daquilo que é e do que viveu», daí o título escolhido: «Cumprir o seu fado».

O disco inclui a participação de Argentina Santos, no tema «Fado da Herança», cuja história começou num espectáculo na Corunha, em que cantou ao lado da veterana fadista.

«No fim, ela chamou-me para agradecer os aplausos e os guitarristas começaram a tocar e nós improvisámos umas quadras. Senti uma tal força que me marcou e no regresso a Lisboa comentei com o Jorge Fernando», recorda Filipa Cardoso.

«O Jorge Fernando escreveu a maior parte das vezes a olhar para mim. Tudo o que se passava na minha vida ele passava para o papel», conta a fadista.

Este álbum é também a estreia de Filipa Cardoso como letrista. «Há um silêncio entre nós» é assinado pela fadista.

«Não o queria incluir, porque podiam achar pretensioso, mas o Jorge Fernando e os meus amigos insistiram e aceitei», disse.

Como referências, figuram Amália Rodrigues, Fernanda Maria, Marina Mota, Beatriz da Conceição e Argentina Santos.

Em «Cumprir seu fado», editado pela Farol, Filipa Cardoso interpreta 12 temas, acompanhada à guitarra portuguesa por José Manuel Neto, à viola por Jorge Fernando e à viola baixo por Daniel Pinto.