Conrad Murray vai ser julgado em tribunal pela morte de Michael Jackson sob a acusão de homicídio involuntário. Em caso de condenação, o médico pessoal do Rei da Pop incorre numa pena máxima de quatro anos de prisão.

A última semana foi passada em audiências preliminares perante um Grande Júri para decidir se o caso iria a julgamento e, como relata o «The Wrap», o juiz Michael Pastor confirmou esta terça-feira a acusação dos procuradores de Los Angeles tendo também retirado a Murray a licença para o exercício da prática médica.

Michael Jackson morreu no dia 25 de Junho de 2009 vítima de uma overdose de drogas resultado da toma de propofol. «Não era a hora de Michael Jackson partir, disse o procurador David Walgren atribuindo a causa à «negligência e imprudência do dr. Murray».

O relato do «The Wrap» dá conta de que o médico de Michael Jackson deixou a audiência bastante abalado e ladeado pelos seus advogados sem prestar declarações.