O festival de música de Vodafone Paredes de Coura arranca hoje para a sua 21.ª edição, constituindo uma oportunidade para descobrir muitas bandas novas, que se apresentam pela primeira vez em Portugal, e escutar um punhado de consagrados.

O primeiro dia é ainda um «aquecimento», feito só com um palco, inteiramente dedicado às sonoridades nacionais, que começam a ecoar pelas 19:50, com o rock dos Tape Junk, a nova banda de João Correia, com um disco gratuito a ser lançado em breve.

O resto do programa completa-se com a música crua de O Bisonte, os psicadélicos Sensible Soccers, os sons mais dançáveis de Moullinex e o experimentalismo de The Filthy Pigs.

O Vodafone Paredes de Coura vai ser também uma oportunidade para ouvir valores consagrados como os Belle & Sebastien ou os Calexico, mas, para isso, será preciso esperar pelo último dia do festival, que terminará a 16 de agosto.

Os sobreviventes britânicos Echo & The Bunnymen (16 de agosto) e os norte-americanos Alabama Shakes (14 de agosto) serão outros dos poucos nomes que podem ser familiares a uma faixa mais alargada de público. Mas enquanto os primeiros conquistaram a sua reputação na década de 1980, como uma das bandas mais importantes do post-punk, o blues-rock dos Alabama Shakes ainda só tem um registo fonográfico - mas trata-se de um disco que, este ano, teve três nomeações para os Grammy.

O Vodafone Paredes de Coura, no entanto, como as diferentes edições do festival foram estabelecendo ao longo dos anos, é quase sempre feito pela descoberta de bandas em arranque de carreira, como foi o caso dos Divine Comedy (1998), dos Suede (1999), dos Yeah Yeah Yeahs (2003), dos The National e dos Arcade Fire (2004), entre outros.

Este ano, algumas das apostas de futuros sucessos concentram-se na folk-rock dos Phosphorescent, que tiveram alguma projeção com o tema «Song from Zula», no rock dos britânicos Palma Violets, no electro-rock australiano dos Jagwar Ma e no rock psicadélico dos Toy.

Há, no entanto, outros motivos de interesse na programação, como os sempre enérgicos The Vaccines, o regresso dos catalães Delorean, a versão DJ dos franceses Justice, o psicadelismo dos Unknown Mortal Orchestral e a música eletrónica, apostada na surpresa, do duo sueco The Knife, que recentemente lançou «Shaking the habitual».

O contingente nacional também não está desguarnecido, com a presença ainda de mais alguns nomes como os Glokenwise, Noiserv, papercutz e Black Bombaim, entre outros.

Mais verde, mais espaço de campismo e melhores condições logísticas são «bandeiras» erguidas pelo diretor do «Vodafone Paredes de Coura», João Carvalho, em declarações à Lusa.

«Queremos continuar a ser o festival que traz a Portugal, em primeiro, as bandas que serão cabeças de cartaz mais tarde. Basta olhar para os restantes festivais e percebe-se isso, pois são muitas as bandas que já estiveram em Coura, em anos anteriores», resumiu.