Os britânicos Deep Purple atuam esta terça-feira em Lisboa, naquele que será um concerto inserido na digressão “The Long Goodbye” (“O longo adeus”, em português), com abertura pelos UHF.

O título da digressão da banda de “Smoke on the Water” levou a especulação de que seria o ponto final na carreira do grupo, mas, em entrevista à Billboard, em fevereiro, o baixista Roger Glover disse que preferia deixar a mensagem por decifrar para os fãs.

Vamos deixar-vos fazer a vossa própria análise. (…) Ninguém quer parar, mas sabemos que eu tenho 71 anos, [o vocalista Ian] Gillan tem 71, e os corpos têm uma maneira de não acompanhar o cérebro ou a carreira”, lembrando ainda o enfarte do baterista Ian Paice em 2016.

A própria promotora Ritmos & Blues descreve que “esta será a última oportunidade de ver os nomeados para a Rock ‘n’ Roll Hall of Fame "Deep Purple", uma das bandas mais icónicas de sempre, na digressão de suporte ao seu novo álbum ‘inFinite’”.

Quanto aos portugueses UHF, a banda anunciou que vai doar parte do 'cachet' aos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, na sequência dos incêndios do mês passado, que causaram 64 mortos e mais de 200 feridos.

"Ausentes do concerto solidário no MEO Arena, a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, os UHF não querem deixar de se associar a esta causa, doando 10% do cachet aos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande", lê-se no comunicado divulgado pela promotora.

Os Deep Purple surgiram em 1968 e estão entre os pioneiros do hard-rock e do heavy metal, ao lado dos Led Zeppelin e dos Black Sabbath.

Depois de um hiato de quase dez anos, o grupo de "Made in Japan" foi retomado em meados dos anos 1980, permanecendo ativo até à atualidade.

As portas do MEO Arena abrem às 19:15 de hoje e os bilhetes custam entre 35 e 65 euros.