Jorge Fernando entrega a sua «Vida» à música (vídeo)

Compositor conta com várias participações nacionais no seu novo álbum: Ana Moura, Fábia Rebordão e Sam The Kid

Por: Redação / Cátia Soares    |   28 de Setembro de 2009 às 16:42
Jorge Fernando acaba de lançar o seu novo álbum, «Vida». Numa entrevista concedida ao IOL Música, o cantor descreveu este novo disco como uma denúncia dos problemas que marcam a actualidade económica, apesar de também podermos encontrar «outros versos referentes ao amor no sentido mais atrevido».

Este é, sem dúvida, um álbum de memórias e de mudanças, tendo em conta que abre e fecha com a música «Vida», primeiro cantada com Fábia Rebordão e, para terminar, cantada com Amália. Ou até mesmo pelo facto de Jorge Fernando ter convidado o rapper Sam The Kid para participar em uma das faixas.

«O que eu considero mais importante em mim é o trabalho que faço de ponte, porque toquei com as maiores vozes de um determinado tempo e depois cheguei à grandes novas vozes modernas», explicou.

Depois de vários anos a participar em projectos de artistas de renome e de produzir para outros tantos, o músico sentiu que este era o momento certo para voltar a avançar em nome próprio.

Poeta, cantor e compositor, Jorge Fernando abandonou a carreira futebolística para se tornar um dos homens mais cantados da música nacional. Ao fim de 34 anos no panorama musical, o fadista confessa que a a música tem muito mais a ver com a sua alma.

Veja aqui a entrevista com Jorge Fernando:

PUB
EM BAIXO: Entrevista João Fernando
Entrevista João Fernando

COMENTÁRIOS

PUB
«O Estado é um padrinho que acompanha o cidadão até à morte»

Henrique Medina Carreira considera que «a despesa social» é o grande problema dos últimos 50 anos em Portugal. Se analisarmos as despesas públicas e os níveis de fiscalidade, entre 1960 e 2010, verificamos que a despesa social «é aquilo que adoeceu, e adoeceu por irresponsabilidade política». Para o comentador da TVI24 o país nunca antecipou os problemas que podiam advir de um crescimento excessivo das despesas sociais porque estas são uma forma de compra de voto.