Taylor Swift é acusada de colocar em perigo uma espécie de pássaros raros, na Nova Zelândia, durante a gravação de um vídeo.

A equipa de produção da cantora norte-americana conseguiu permissão para filmar numa praia em Bethells, perto de Auckland, na Nova Zelândia, uma zona onde habitam espécies de passáros raros. No entanto, os ambientalistas alegaram que a equipa desrespeitou as restrições durante as gravações, usando mais veículos do que aqueles que tinham sido permitidos na área. Segundo estes, a produtora tinha autorização para usar dois veiculos mas usou mais de uma dúzia.

De acordo com o Departamento de Conservação da Natureza da Nova Zelândia, há cerca de 1.700 aves naquela zona e os ninhos, nas praias, são “facilmentes destruídos por ação dos pés, por cães ou por veículos".

"Existem restrições sobre o número de veículos e sobre o que eles podem fazer quando estão na praia”, afirmou  Sandra Coney, a responsável pelo parque, à Sky, que já pediu uma investigação. 


A produtora negou as acusações e afirmou que seguiu as orientações emitidas pelas autoridade, permanecendo longe dos habitats dos pássaros em vias de extinção. Apesar disso, a Cherokee Films já emitiu um pedido de desculpas pela situação e ilibou Taylor Swift de qualquer responsabilidade sobre o incidente.