Concerto em Londres poderá ser o último dos Blur

Damon Albarn admite nova separação da banda após o espetáculo marcado para agosto no Hyde Park

Por: Redação / JCS    |   9 de Abril de 2012 às 13:39
A atuação dos Blur no Hyde Park, em Londres, marcada para 12 de agosto, poderá muito bem vir a ser o derradeiro concerto da banda britânica, admitiu Damon Albarn.

Em entrevista ao jornal «The Guardian», o vocalista disse que a banda poderá separar-se novamente após o espetáculo que marca o encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres.

Questionado sobre se os Blur pretendem lançar um novo disco ou se a banda realizará mais concertos após a atuação no Hyde Park, Albarn respondeu com um tímido, mas claro «não».

«Espero que seja essa a verdade: que seja assim que acabamos (com o concerto em Hyde Park)», disse ao «The Guardian», advertindo porém que as coisas nem sempre acontecem como planeadas.

«Uma coisa que aprendi é que tudo o que eu acho ter como certo, e que acho que vai acontecer de uma certa forma, acaba por nunca funcionar assim», explicou.

Os Blur atuaram em fevereiro nos Brit Awards e gravaram uma nova canção, «Under The Westway», apresentada ao vivo num concerto de Damon Albarn com o guitarrista Graham Coxon.

Ao «The Guardian», Albarn contou ainda que duvida que os Gorillaz, um dos seus muitos projetos, venham a lançar um novo disco devido às diferenças de ideias entre ele próprio e Jamie Hewlett.



PUB
FOTOGALERIA:
Blur nos Brit Awards 2012 (Reuters)

Blur (Reuters) EM CIMA: Blur (Reuters)
COMENTÁRIOS

PUB
Grécia pode receber créditos de emergência para evitar "crise humanitária"

Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, admite conceder créditos de emergência ao país helénico como medida de transição. Schulz diz que Alexis Tsipras conduziu os gregos a um beco sem saída, mas que a população "não tem culpa disso". Na véspera da realização do referendo que pode ditar o futuro da Grécia, o clima de tensão mantém-se. O ministro das Finanças alemão admite que os gregos poderão estar a escolher entre o euro e o dracma. Já Yanis Varoufakis diz que o que a Europa está a fazer à Grécia é "terrorismo"