Os Eagles of Death Metal, a banda que atuou no Bataclan durante o ataque que provocou uma verdadeira carnificina, emitiu um comunicado pela primeira vez depois dos atentados. 

Divulgado nas redes sociais, o comunicado anuncia que a banda regressou aos EUA, sem especificar datas, e que suspendeu todos os concertos que tinha agendados. A banda tinha agendados 32 concertos numa digressão pela Europa, com uma paragem, a 10 de dezembro, em Portugal. O concerto no Bataclan era o 11º da digressão.

"Enquanto a banda está em casa a salvo, estamos horrorizados e continuamos a tentar perceber o que aconteceu em França. Todos os concertos de EODM estão suspensos até nova atualização”.


A banda californiana exprimiu ainda a dor pela morte dos fãs e das pessoas próximas do grupo musical: o "irmão" Nick Alexander, que era responsável pelo merchindising da banda e três pessoas ligadas à editora discográfica: Thomas Ayad, Marie Mosser e Manu Perez.

Na mesma nota, os músicos agradecem o trabalho das autoridades e deixam uma mensagem em francês: "Viva a música, viva a liberdade, viva a França e viva aos Eagles of Death Metal".
   

Os atentados de 13 de novembro, em Paris, que fizeram 129 vítimas mortais, foram reivindicados pelos grupo extremista Estado Islâmico. 

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos (Bataclan) e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha, com a presença do chefe de Estado francês, François Hollande.