O vocalista dos Eagles of Death Metal, a banda que tocava na sala de espetáculos Bataclan, em Paris, a 13 de novembro de 2015, quando foram perpetrados os ataques jihadistas, suspeita da cumplicidade dos seguranças da sala nos atentados.

Quando cheguei ao local e estava a dar uma vista de olhos, passei por um fulano que supostamente era segurança nos bastidores. Ele não olhou para mim. Virei-me imediatamente para o produtor e perguntei: ‘Quem é este tipo? Quero outro gajo aqui’ e ele disse-me ‘que alguns dos outros ainda não tinham chegado’”. E, depois, “fiquei a saber que para aí uns seis não apareceram mesmo”, disse Jesse Hughes à Fox Business.

O líder da banda californiana acrescentou ainda: “Parece-me óbvio que eles tinham razões para não aparecer”.

O Bataclan rejeitou, em comunicado, estas declarações de Jesse Hughes, afirmando que o cantor se encontra traumatizado, informa a AFP.

Noventa pessoas morreram no Bataclan naquela noite. Os Eagles of Death Metal já voltaram a Paris.