logotipo tvi24

A «música de interjeição», segundo os Anaquim

Em entrevista ao IOL Música, banda de Coimbra falou sobre o novo álbum, «Desnecessariamente Complicado»

Por:
/ Manuel Lino (imagem) e Luís Silva (edição de imagem)    |   2012-03-13 01:51

É já no próximo dia 16 de março que os Anaquim dão o primeiro de três concertos de apresentação do seu novo disco. O Teatro Gil Vicente, em Coimbra, recebe as novas canções de «Desnecessariamente Complicado», álbum que lança um olhar atento sobre a situação socioeconómica do país.

«[O disco] caracteriza a sociedade em que vivemos hoje em dia, em que há um pouco uma subversão de valores, uma subversão de estratégias. E parece que os fins são sempre atingidos apenas com percursos complicados, desnecessariamente complicados, quando, se calhar, seria mais simples levar a vida por outros caminhos mais prazerosos e mais básicos», contou José Rebola, principal letrista e compositor do grupo, em entrevista ao IOL Música.

Pedro Ferreira, multi-instrumentista por quem passam teclados, guitarras e acordeões, acrescentou que os Anaquim não pretendem ficar-se apenas pela crítica, mas também lançam «um olhar interventivo de quem aponta [o caminho], de quem tira as mãos dos bolsos e se põe em ação».

Mais do que música de intervenção, os Anaquim acreditam que fazem «canções de interjeição». José Rebola assim o explicou: «A música de intervenção não pode estar eternamente ligada à música de há 40 anos. E começa a surgir uma nova geração valorosa, da qual nos orgulhamos de fazer parte, e que resume estados de espírito, um sentido coletivo de frustrações e de lamentos. E surgem as interjeições - o "Chega!", o "Basta!"».

Um disco que mostra os Anaquim mais como uma banda do que como projeto pessoal de José Rebola, «Desnecessariamente Complicado» contou com vários convidados musicais. A colaboração com Viviane, ex-vocalista dos Entre Aspas, começou no Facebook e acabou em estúdio.

«Ela chegou [ao estúdio] (...) e deu-nos a todos uma lição de humildade, de talento e de saber fazer. Estamos a falar de uma pessoa que está aqui há 20 anos com provas mais do que dadas», recordou José.

«Resultou muitíssimo bem e, quem sabe, vamos tê-la nos nossos primeiros concertos», completou.

Depois da atuação na sua cidade natal, a banda de Coimbra passará também pelo Hard Club, no Porto, a 17 de março, e pelo MusicBox, em Lisboa, no dia 20. Até lá, o novo single já pode ser escutado e visto num vídeo que foi gravado no sótão da casa dos avós do vocalista.

«[Foi] com o barulho mantido ao mínimo, para não os perturbar. Eles estavam em casa, no andar de baixo», explicou o mentor dos Anaquim, para quem a centenária casa na cidade de Coimbra tem uma «carga [emocional] muito grande».

«O sítio é lindíssimo. (...) Esse vídeo faz parte de sete temas que foram gravados e que vão ser lançados em breve em formato vídeo. É tocado ao vivo e nós queríamos passar a nossa imagem para além do duende [Anaquim] (personagem principal no primeiro disco do grupo). E a nossa melhor imagem é a tocarmos as nossas músicas e a fazê-lo com muito gosto, como fazemos sempre», disse José Rebola.

Partilhar
EM BAIXO: Anaquim
Anaquim

Namorada de Mick Jagger morreu por amor?
Rolling Stones cancelam concerto na Austrália
Rolling Stones cancelam concerto após morte de namorada de Jagger
L'Wren Scott foi encontrada morta no seu apartamento em Nova Iorque com um lenço à volta do pescoço
Namorada de Mick Jagger encontrada morta
L'Wren Scott tinha 49 anos e foi encontrada já sem vida no seu apartamento
EM MANCHETE
TAP cancela 48 voos em quatro dias
Companhia aérea pede desculpa aos passageiros por atraso na entrega de novos aviões. Veja a lista de voos cancelados
Avião com destino ao Porto fez aterragem de emergência
ESFG solicita prolongamento da suspensão das ações