Lady Gaga encontrou-se, no passado domingo, com Dalai Lama em Indianápolis, nos EUA, para uma conversa sobre yoga, meditação e saúde mental. O encontro aconteceu à margem da conferência anual dos Mayors dos Estados Unidos, onde a cantora e o líder espiritual dos budistas tibetanos participaram como conferencistas num painel sobre a paz nas cidades mundiais.

A cantora partilhou algumas imagens nas redes sociais e, se muitos fãs elogiaram Lady Gaga pelo encontro, houve admiradores da cantora que se consideraram traídos.

Em várias publicações no Twitter feitas por fãs chineses é possível ler mensagens onde a cantora é questionada sobre o "porquê" de ter feito "isto" e bombardeada com frases como "não te amo mais" e "perdeste fãs na China".

 

 

 

Mas não foram apenas os fãs que se sentiram traídos com o encontro de Lady Gaga e Dalai Lama. O partido comunista chinês decidiu banir todo o reportório de Lady Gaga do seu território, onde o líder espiritual é considerado hostil.

Segundo o The Guardian, o partido chinês ordenou que as músicas da cantora fossem banidas do território e os sites e órgãos de comunicação sociais foram proibidos de transmitir a música de Lady Gaga. Já quanto ao encontro, os meios de comunicação oficiais do regime foram instruídos a condená-lo publicamente.