O músico e maestro Jordi Savall recebe esta segunda-feira, em Lisboa, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sendo as respetivas menções honrosas entregues aos jornalistas Adrian Lloyd Hughes e Rafael Fraguas.

A cerimónia, no auditório 03 da Fundação Calouste Gulbenkian, está marcada para as 18:30, e conta com a participação de Guilherme d’Oliveira Martins, presidente do Centro Nacional de Cultura (CNC), que promove o galardão, no âmbito dos prémios Europa Nostra, e de Dinis de Abreu, presidente do Clube Português de Imprensa.

Na ocasião será lida uma mensagem do tenor e maestro Placido Domingo, presidente da organização não-governamental Europa Nostra.

O prémio homenageia o “excecional artista e humanista [Jordi Savall] pelo seu contributo para a celebração da história multicultural da Europa, através do seu rico património musical”, afirma em comunicado o CNC.

Com mais de 50 anos de carreira, o maestro, intérprete de viola da gamba e musicólogo catalão Jordi Savall, de 73 anos, "tornou-se o principal divulgador da música antiga a nível mundial", sustenta o CNC.

Ao jornalista dinamarquês Adrian Lloyd Hughes foi atribuída uma das menções especiais, "pela sua notável contribuição para a divulgação da arte europeia e respetiva influência no património cultural dinamarquês", realçou o CNC.

A outra menção foi atribuída ao jornalista espanhol Rafael Fraguas, "pelos muitos anos dedicados a promover os valores do património cultural e natural através dos ‘media’, sobretudo dos seus artigos no jornal diário El País", nos quais chama a atenção para o património ameaçado, "encorajando a sua salvaguarda", segundo o CNC.

Nas edições anteriores, os distinguidos com o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, foram os escritores Claudio Magris, em 2013, e Orhan Pamuk, em 2014.