É mais uma tecnologia com vista à redução de consumos e emissões. A Audi desenvolveu o eROT (electromechanical rotary damper), um sistema de suspensão que utiliza um motor elétrico em substituição dos tradicionais amortecedores.

Este sistema permite recuperar energia cinética durante o processo de amortecimento, ao contrário dos amortecedores convencionais, que de outra forma seria perdida enquanto calor.

Segundo a Audi, os braços da suspensão que estão ligados aos amortecedores rotativos conseguem absorver o movimento da roda e transmiti-lo através de um conjunto de engrenagens com um motor elétrico encaixado no eixo traseiro.

“Cada buraco, cada solavanco, cada curva induz energia cinética ao carro. Os amortecedores atuais absorvem toda esta energia, que é perdida na forma de calor. Com os amortecedores eletromecânicos rotativos no sistema elétrico de 48 volt, vamos poder utilizar toda essa energia”, explicou Stefan Knirsch, um dos responsáveis do desenvolvimento técnico da Audi.

A Audi adianta ainda que durante os testes efetuados, o sistema conseguiu recuperar entre 3 e 613 watt de energia, dependendo do estado de conservação das estradas em que o modelo se encontrava. Isto traduz-se numa redução do consumo de combustível que pode chegar aos 0,7 litros aos 100 km.

A redução nas emissões de CO2 pode chegar aos 2 g/km, sendo que uma outra vantagem deste sistema passa pela redução do peso, sendo até 10 kg mais leve do que o sistema tradicional de amortecedores hidráulicos.

A juntar a tudo isto, os amortecedores eletromecânicos rotativos permitem melhorar o conforto e dinâmica, visto que o sistema permite afinações de suspensão quase ilimitadas.

Esta tecnologia deverá ser estreada no SUV híbrido Q6 em 2017, e, posteriormente, nas diferentes gamas da marca de Ingolstadt.