Um grupo de investigadores detetou falhas na segurança das chaves eletrónicas de milhões de automóveis. Os peritos verificaram que com uma montagem eletrónica e cerca de 35 euros em programas informáticos, qualquer pessoa consegue abrir os carros que usam este sistema de fecho.

A segurança destes automóveis ficou debaixo de olho dos investigadores depois de existirem vários relatos de assaltos sem explicação óbvia sobre os métodos utilizados.

Segundo escreve o El País, a partir dos anos 2000 os automóveis passaram a utilizar sistemas restritos onde os códigos para abrir os carros estavam encriptados nas chaves e, mais tarde, nos cartões que serviam de meio para dar início ao funcionamento do veículo.

Depois de analisarem as chaves de milhões de automóveis, de várias marcas, os cientistas concluíram que sistemas informáticos rudimentares aliados a algum conhecimento de programação contornavam a codificação, tornando fácil a alteração da reprogramação dos veículos e do acesso ao código das portas.

O jornal espanhol faz ainda menção aos carros que dispensam a chave para começarem a funcionar. Aqueles que utilizam cartão ou “ignição passiva” tornam-se ainda um alvo mais fácil para os criminosos.

Marcas afetadas pela vulnerabilidade dos códigos de segurança

  • Grupo Volkswagen (Sköda e Audi)

  • Alfa Romeo

  • Chevrolet

  • Mitsubishi

  • Peugeot

  • Lancia

  • Opel

  • Renault

  • Ford

Segundo os especialistas, só a Volkswagen tem usado, durante décadas, um pequeno número de chaves mestras em todo o mundo. Este facto aumenta a vulnerabilidade da marca e os investigadores alertaram o grupo, em novembro do ano passado, com um relatório completo sobre a segurança dos seus equipamentos.

Para prevenir assaltos, e porque pode não ser oportuno mudar de carro, o melhor será ter sempre atenção aos pertences que deixa visíveis no automóvel e certificar-se que deixa veículo fechado, porque as marcas afetadas não demonstraram, até aqui, vontade em alterar a encriptação das chaves.