O Aston Martin Vulcan é tão vistoso como poderoso com o seu motor de 7.0 litros V12 a debitar 800 cv de potência. E da mesma forma inacessível...

Para além do seu preço a rondar os dois milhões de euros (antes de impostos), o Vulcan limitado a uma produção de exclusivos duas dezenas e meia de exemplares foi também criado para ser de uso exclusivo para pista.

Mas isso mudou agora. Pelo menos para um deles. A obra ficou cargo do RML Group, um fabricante britânico que deixou o Vulcan «homologado» para a estrada com o acordo da Aston Martin.

Uma das primeiras alterações desde logo foi a introdução dos faróis à frente que o carro para pista dispensa, mas também ainda na frente (agora dispondo de esguichos para o limpa para-brisas...) teve de haver um novo desenho para a asa dianteira.

Pormenores de importância maior como as luzes indicadoras de mudança de direção foram também introduzidas na gigantesca asa traseira, pois, os piscas traseiros de origem não são devidamente percetíveis para todos os que seguem atrás – devido, precisamente, ao tamanho da asa.

Mas também os espelhos retrovisores do Vulcan original foram substituídos pelos do Aston Martin DB11 – e também eles com piscas incorporados. A mudança da pista para estrada, entre outras alterações (como a tampa do depósito de combustível, por exemplo), obrigou também a reajustamentos na suspensão.

Ou a não menos redefinições no motor para cumprir os limites das emissões de gases, silenciadores do barulho ou alterações nos processo de arrefecimento de um motor que não foi criado para estar «parado» à esperar no trânsito.

O vídeo da Lovecars mostra-nos estas e todas as outras reconversões feitas no Vulcan pelo RML Group para que se possa ir com este supercarro (que “manteve a essência” do carro de pista que pode agora rodar na estrada) até à estação de serviço atestar o depósito antes de ir à mercearia...