Trinta anos depois, o Audi 002 Quattro saiu finalmente do Museu em Ingolstadt, e fez-se ouvir em Daun, palco do Eiffel Rally Festival.

O protótipo de Grupo S da Audi destinava-se a substituir o Sport Quattro S1 E2 nos ralis, mas as tragédias da Lagoa Azul e da Córsega levaram ao fim o sonho que eram os Grupos B e os projetos de Grupo S não viram a luz do dia.

Foi o caso do 002 Quattro, a resposta da Audi aos carros de motor central como o Peugeot 205 Turbo16 e o Lancia 037. O projeto foi segredo até que um fotógrafo se deparou com um teste secreto da Audi. A partir dali toda a gente ficou a saber da existência de um carro que era suposto ser secreto.

O carro, feito à revelia da alta direção da Audi, tendo sido desenvolvido num local remoto na República Checa, em Desna, tinha formas próximas dos Sport Quattro, mas escondia motor central, o mesmo 5 cilindros do Sport Quattro, mas com 1000cv.

A aerodinâmica era outro dos pontos de destaque, assemelhando-se em tudo a um Sport-Protótipo. Esta filosofia radical contrastava com todos os projetos realizados até então, demonstrando uma elevada preocupação com a carga aerodinâmica.

O local dos primeiros testes deixou de ser segredo e a Audi voltou a colocar o carro no camião e regressou a casa. Só que encontrou uma estrada e decidiram ‘libertar’ Walter Rohrl, piloto da Audi. O problema é que a Polícia "apanhou" Walter e segredo. 

Foi apenas uma questão de tempo até a direção da Audi descobrir o projeto. O presidente da Volkswagen, Ferdinand Piech, supervisionou ele próprio a destruição dos carros até então construídos. Felizmente alguém se terá esquecido de um protótipo perdido. 

O veículo encontra-se atualmente no Museu da Audi, em Ingolstadt. Pela primeira vez saiu à rua “oficialmente” para ir até Daun, onde realizou duas saídas para os troços do Eiffel Rally Festival.

Veja-o em ação: